Trabalhador braçal comete suicídio no Município de Água Azul do Norte

O trabalhador braçal José Cambraia da Silva de 54 anos e idade, natural de Caxias no Estado do Maranhão, recém-chegado no Município de Água Azul do Norte cometeu suicídio por enforcamento provavelmente no último dia 12 de abril. Segundo informação do senhor Evandro Costa da Silva, que ele e José Cambraia da Silva, chegaram à Fazenda Guarani, localizada na PA 279 km 17, na última sexta-feira 11 de abril, onde iram trabalhar com serviços gerais.

DSC_0075 [1024x768]Evandro Costa, contou em depoimento a Polícia Civil, que estava na cidade de Vitorino Freire no Maranhão, quando encontro José Cambraia, ao falar que estava trabalhando em uma fazenda no Pará, José se interessou em vir com ele para trabalhar também. Segundo Evandro Costa, eles foram deitar por volta das 22 horas, quando foi por volta de 03 horas da manhã, José Cambraia começou apresentar comportamentos estranhos, dizendo que estava com os olhos ardendo, Evandro mandou que José fosse lavar o rosto com água que seria bom.

Ao retornar para o alojamento José estava com comportamentos mais estranhos ainda, dizendo havia ouvido vozes, onde alguém  dizendo que ira mata-lo, Evandro na tentativa de acalmar seu companheiro disse que não havia nada de errado, mas Cambraia insistia em dizer que tinha alguém querendo tirar sua vida. O comportamento de José Cambraia, fez com que o restante dos funcionários da fazenda, acordasse com isso alguns funcionários começaram se preparar para começar trabalhar, entre eles Adão de Brito Oliveira, conhecido por “NEGÃO”, vaqueiro da fazenda foi para o curral para tirar o leite.

José Cambraia cismou que Negão queria mata-lo, fato totalmente sem nexo, os funcionários foram todos cuidar das suas tarefas diárias. Quando do amanhecer do dia, deram conta que José Cambraia havia desaparecido. O senhor José Francisco proprietário da fazenda foi comunicado do fato, o qual logo acionou a Polícia Militar do destacamento de Água Azul do Norte e mandou que os funcionários realizassem buscas por toda a fazenda a procura de José Cambraia. As buscas aconteceram durante os dias de sábado, domingo e segunda-feira, só na terça-feira (15), por volta de 12 horas, a Polícia Militar chegou à fazenda com a informação de que o corpo de José Cambraia havia sido encontrado pendurado em uma arvore, tudo indicava que ele tinha cometido suicídio por enforcamento, usando um cipó. O corpo de Cambraia foi encontrado em outra fazenda distante 15 km da Fazenda Guarani, Evandro e Adão acompanharam a Polícia ate ao local e constataram que Cambraia tinha se enforcado e seu corpo já estava em estado avançado de decomposição.

O delegado Luiz Antônio que se encontrava de plantão em Xinguara, mandou uma equipe de policiais ate ao local para fazer levantamentos no local do crime e posteriormente liberar para a funerária remover o corpo, após ouvir testemunhas o Dr. Luiz Antônio acredita que José Cambraia tinha problemas psicóticos. O inquérito policial foi instaurado e será encaminhado a Justiça. Disse Dr. Luiz Antônio Delegado de Polícia Civil.

Veiculo cai em ribanceira na BR 155

Apesar dos danos da caminhonete, motorista saiu ileso.

d528f980702eee4bb047d8fa62e002ecUma fila de carros se formou na manhã desta terça-feira, 15, por volta das 10h00 na rodovia BR 155 para que fosse retirado do local uma caminhonete S10.
O veiculo que estava sendo dirigido por um rapaz funcionário de uma serraria, capotou vindo a cair num barranco, a cerca de 04 quilômetros da cidade de Xinguara no sentido a Sapucaia.
O motorista, segundo informou a proprietária do carro, pegou o veiculo sem autorização, pela manhã. “Quando eu e meu esposo chegamos ao trabalho, as 07h15, já não encontramos o carro no local, pois o rapaz havia pegado sem autorização”, disse a mulher. As informações são de que o rapaz estava sozinho dentro do carro, sendo que ele mesmo teria comunicado o acidente a uma filha dos proprietários. Mesmo com o acidente deixando o carro em estado, aparentemente, irrecuperável, o rapaz não sofreu nenhum dano físico.
1ba55dcd823c976b1ee5b86c9522bf8fO rapaz não foi localizado para explicar os motivos do acidente, mas ao que tudo indica a velocidade em excesso pode ter sido um dos motivos do acidente.
Mesmo sendo funcionário da empresa, uma serraria, o rapaz não exercia a profissão de motorista e que teria pegado o carro sem autorização o carro para levar um lixo. O acidente ocorreu quando ele já havia deixado o lixo e vinha em direção a Xinguara.
Para retirada do carro, foram usados dois caminhões guinchos, sendo necessário a interdição da rodovia por alguns instantes, o que levou os veículos a esperarem por cerca de meia hora.

Fonte: HORA DE DECIDIR

Alunos de mais de 70% das Escolas da Rede Municipal em Xinguara estão sem aulas

A maioria das Escolas da Rede Municipal de Ensino de Xinguara amanheceu com os portões fechados, o motivo da paralização das escolas, é uma greve que os professores aderiram reivindicando 10.4% no piso salarial da classe. Segundo o coordenador geral do SINTEPP, Sindicado dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará, Subseção Xinguara e regional, Janesley de Siqueira, a greve não tem data especifica para acabar.

Nossa equipe de reportagem falou com o Secretario de Educação Vilmones da Silva e com o Coordenador Geral do (SINTEPP), Sindicado dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará, Subseção Xinguara e regional, Janesley de Siqueira, para saber a posição das duas partes sobre a situação.

Site: Qual é a posição da Secretaria de Educação sobre a greve dos professores da rede municipal de ensino?

Vilmones da Silva Sec. de Educação de Xinguara

Vilmones da Silva Sec. de Educação de Xinguara

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO: Foi um determinado numero de professores que resolveram paralisar os trabalhos, respeitamos a liberdade de manifestação ou greve desses servidores, mas temos um numero considerável de professores que estão indo para as escolas para trabalhar, varias escolas estão tendo aula normalmente. Apesar do comando de greve estar indo as escolas, impondo, desrespeitando a democracia no sentindo de respeitar a opinião das outras pessoas, mas estamos garantindo o direito daqueles que querem trabalhar. Inclusive a zona rural está com aulas normais, às escolas que aderiram à paralisação, nós quanto secretaria de educação respeitamos, mais vamos também garantir o direito daqueles professores que estão hábitos a trabalhar.

Uma vez que, desde o dia 1º de janeiro de 2014, o município de Xinguara está pagando acima do piso salarial nacional, não tem vencimentos atrasados, e estamos propondo para 2014, investir 70,5% do FUNDEB, com folha de pagamento do professor, enquanto se estivéssemos investindo apenas 60%, já estaríamos satisfazendo a legislação vigente. Sobre a greve, de imediato vamos entrar com uma ação na Justiça pedindo a ilegalidade da greve, em virtude de todos esses motivos expostos, por estarmos cumprindo a lei do piso, sem salários atrasados, gastando 70,5% dos recursos do FUNDEB, com a folha de pagamento dos professores, isso por se só deixa claro que a boa vontade do município em cumprir com a legislação. Nesse sentido vamos entrar com uma ação na justiça pedindo a ilegalidade da greve.

Estamos aberto a negociação, mais com a comissão de negociação formada pelo SINTEPP, tentamos por em numeras vezes provar com dados oficiais do Governo Federal, com dados oficiais do FNDE, que não é possível dar o reajuste de 10,4%, como eles estão pedindo. Se a secretaria de educação se comprometer em dar um reajuste como esse, a partir do mês de agosto de 2014, os salários estarão atrasados e fechara o ano com, UM MILHÃO E QUINHENTOS MIL, de saldo negativo, por isso preferimos enfrentar qualquer desgaste agora, que estamos com a razão, do que atrasarmos os salários do meio para o final do ano, e ai a razão passar a ser dos professores.

Janesley de Siqueira coordenador geral do SINTEPP, Sindicado dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará, Subseção Xinguara e regional

Janesley de Siqueira coordenador geral do SINTEPP, Sindicado dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará, Subseção Xinguara e regional

SINTEPP: Na realidade a uma soma de discussões que precisa ser melhor postas para a categoria, os trabalhadores da educação desde de o ano passado tem sofrido ataques, hora em falas, a principio o prefeito municipal, Osvaldinho Assunção tem anunciado que o nosso plano de carreira não havia sido homologado, por tanto não tinha validade. Depois veio a questão do PMX, onde a categoria foi veementemente contra, para somar contra isso, o prefeito manda para a Câmara de vereadores, uma proposta de plano de carreira sem o aval do SINTEPP, isso na véspera do final do ano, ou seja já havia uma fala dele dizendo que não iria fazer isto. De maneira traidora manda o projeto para a Câmara, na tentativa de ser aprovado sem o consentimento da categoria.

OBJETIVOS:

SINTEPP: Ainda com relação aos motivos, veio a perca de gratificação, a tentativa da J.U, o principal objetivo dessa greve, é de que possamos equacionar alguns problemas de ordem estrutural, ou seja, administrativo junto aos trabalhadores da educação, que ano a ano vem tendo perca salarial.

Site: Segundo o Secretario Municipal de Educação de Xinguara, Vilmones das Silva, o piso salarial da classe em Xinguara está acima do nacional?

Concentração dos Professores na Sede do SINTEPP

Concentração dos Professores na Sede do SINTEPP

SINTEPP: Isso é uma falácia midiática, lamento este tipo de comportamento, porque se o piso estiver acima, deve ser do Estado, onde o secretario é professor, na rede estadual graças à mobilização do sindicato estadual, o piso tem estado acima. Ao piso municipal tem tido varias controversas, a respeito da implementação da jornada, da implementação horatividade, da maneira que se deram essas implementações. Disse o coordenador do SINTEPP. “Quero dizer ao senhor Secretario de Educação, que  os R$ 2,67 (dois reais e sessenta e sete centavos), que ele propõe de reajuste para a categoria, não convence nem a ele mesmo, nos temos de vantagem acima do piso salarial, R$ 83,00 (oitenta e três reais), mínimo, não vamos recuar em perca salarial, para fazer bel-prazer político ao Secretario de Educação e ao Prefeito Municipal”. Palavras do Coordenador geral do SINTEPP Janesley de Siqueira.

Site: O secretario de educação disse também que nesta segunda-feira (14), de abril vai entrar na Justiça comum pedindo a ilegalidade da greve, qual é a posição do SINTEPP sobre essa atitude?

SINTEPP: Como secretario de educação, ele deve resguardar o principio de gestão pública, com esse principio ele deve garantir a realização das aulas. Nossa categoria quer dizer a ele, que ele não é secretario de educação, ele está secretario e vai voltar para a sala de aula. E nesse sentindo não estamos satisfeitos com esse modelo de gestão que persegue, ameaça reduzir carga horária, ameaça demitir ou mandar professores para a zona rural, e que esse tipo de ameaças não convém ao processo a um Estado democrático de direitos.

Agentes de tráfego do DETRAN Pará fizeram levantamentos em Xinguara e a cidade pode receber Semáforos

Em entrevista o diretor do Departamento Municipal de Trânsito de Xinguara, (DMTX), Subtenente Hélio, disse que estiveram em Xinguara na quinta-feira (10) de abril, os engenheiros de tráfego, Marcelo Euclides e Eduardo para fazerem levantamento no trânsito de Xinguara, que receberá nova sinalização.

Subtenente Hélio Diretor do DMTX

Subtenente Hélio Diretor do DMTX

Segundo o Subtenente Hélio, os agentes filmaram o tráfego em toda cidade, para apurar quais são os pontos de maior fluxo e assim ver os pontos mais críticos que devem receber semáforos. O diretor do DMTX, disse que além da troca de placas de sinalização, Xinguara deve ser contemplada com quatro semáforos, os sinais devem ser instalados nos cruzamentos da Rua Tapajós com a Duque de Caxias, Tapajós com a Francisco Cordeiro de Farias, Duque de Caxias com a Avenida Xingu e o quarto na Francisco Caldeira Castelo Branco com a Rua Brasil.

“Essa nova sinalização de Trânsito em Xinguara, vai contribuir para a diminuição no numero dos acidentes que acontecem no município, os semáforos vai ajudar na educação no trânsito, porque vamos ter agentes nesses cruzamentos que vão receber a sinalização e aqueles condutores que avançar o sinal vão ser notificados pelos agentes do DMTX, que estarão nesses cruzamentos”. “Outra situação que vai acontecer também com essa nova sinalização são mudanças de itinerários em algumas Ruas, como a Barão do Rio Branco que terá sentido único da Av. Xingu até a Rua Tapajós, a Rua Duque de Caxias da Rua Cinco do Setor Itamaraty até a Av. Xingu, com retorno pela Rua Gorotire, com isso os condutores terão mais facilidade para trafegar pela cidade”. Disse Subtenente Hélio Diretor de Trânsito de Xinguara.

Após dois dias e uma noite sem comer Rivelino anuncia o fim da greve de fome

O advogado Dr. Rivelino Zarpelon que estava sem comer desde as 08 horas de ontem terça-feira (08), anunciou o fim da greve de fome, as 20:00h, desta quarta-feira (09).

Zarpelon em entrevista a TV Record Xinguara na manhã dessa qurta-feira

Zarpelon em entrevista a TV Record Xinguara na manhã dessa qurta-feira

O advogado falou com nossa reportagem e disse que encerou a greve de fome, mas para ele os resultados obtidos através das 36 horas de fome foram bastante positivos, com o apoio da maioria dos advogados da cidade, da OAB, com o apoio de muitas entidades que vieram prestar solidariedade, com essa pressão fizemos com que a corregedoria instaurasse um processo para investigar as irregularidades denunciadas nesse ato. Bem como conseguimos que o CNJ avoque todos os processos relacionados ao Juiz José Adimilson, para o CNJ julgar e não mais o Tribunal de Justiça, Disse Zarpelon.

Dos oito advogados que apoiaram o Dr. Rivelino e estava previsto para serem ouvidos pela corregedora, após uma renegociação só quatro esteve na sala de audiência, foram eles: Dr. Joel Lobato, Cícero Sales, Drª. Regina Zarpelon e o próprio Rivelino Zarpelon que foi quem gerou a manifestação. Por parte do Juiz foram três testemunhas, afirmou o Dr. Rivelino

Zarpelon contou a nossa equipe que os trabalhos foram bastante tensos durante todo tempo, o magistrado entrou armado na sessão, a Juíza corregedora teve que desarmar o colega. Segundo Rivelino nem na presença da magistrada o Juiz deixou de usar sua pistola, os dois celulares dele foi recolhido pela corregedora, porque ele trocava mensagem durante a audiência. A Drª. Rubilene Silva Rosário averiguou os aparelhos e em seguida devolveu ao Juiz.

Dr. Rivelino quando perguntado sobre a experiência de ficar 36 horas sem comer, respondeu que “foi uma experiência muito diferente, sempre quando eu via algo dessa natureza, achava uma atitude extrema, nunca me imaginei fazendo protesto dessa natureza, só que diante de tudo que estava acontecendo, tantos trabalhadores sendo prejudicado pela as ações criminosa desse Juiz, não me deixou outra alternativa se não fazer isso, é doloroso, desconfortável é assustador, mas o calor humano o apoio das entidades não permite que a gente desiste”. Zarpelon afirmou ainda que não se arrepende do fez por nem um minuto “Fiz tudo isso pelo bem da comunidade, pelo bem da sociedade em geral, e o que deu força para resistir foi o apoio de inúmeras pessoas que ligaram, mandarão mensagem de animo, pessoas que estiveram no local da manifestação, nunca me sentir sozinho nesse protesto, por tudo isso é que valeu a pena”. Disse Rivelino.

O advogado Rivelino Zapelon continua em greve de fome

Dr. Rivelino Zarpelon sendo atendido pelo médico Dr. Rodrigo Gundim (foto: Edmar Brito)

Dr. Rivelino Zarpelon sendo atendido pelo médico Dr. Rodrigo Gundim (foto: Edmar Brito)

Já se passaram 27 horas que o advogado Dr. Rivelino Zarpelon, iniciou uma greve de fome em protesto contra o Juiz de direito da comarca de Xinguara, José Adilson Gomes Pereira. O presidente da OAB, subseção Xinguara, Dr. Cicero Sales, falou com a nossa reportagem na manhã dessa quarta-feira (09), o presidente explicou como anda as negociações sobre as reivindicações feitas pole Dr. Rivelino Zarpelon contra o Juiz de direito de Xinguara José Adilson Gomes Pereira. A pedido da OAB, junto a Secretaria de Saúde do município, o advogado em greve de fome tem recebido cuidados médico, está sendo acompanhado por profissionais da saúde, recebendo alguns medicamentos contra dores e também recebe doses de glicose.

Presidente da OAB Xinguara Dr. Cícero Sales

Presidente da OAB Xinguara Dr. Cícero Sales

Cícero Sales: Ontem mesmo tivemos um retorno à manifestação do Dr. Rivelino, a corregedoria do interior baixou uma portaria instaurando uma sindicância para investigar as denuncias formulada pelo Rivelino. A partir desse momento o que vai ser tratado com a corregedoria não vai ser só as denuncias de corrupções apontadas pelo Dr. Rivelino Zarpelon, mas também varias outras denuncias que a OAB já representou o Juiz José Adimilson perante o CNJ, vamos também colocar em discussão essas denuncias, que é tratamento mal para com os advogados ferindo o estatuto da advocacia que diz que entre Juiz, Advogado e promotores não a nem uma hierarquia, todos tem que ter tratamentos iguais.

Dr. Rivelino Zarpelon recebendo medicamento

Dr. Rivelino Zarpelon recebendo medicamento

Também temos uma reivindicação, que é a retirada do policial que fica na porta do gabinete, porque a presença daquele policial controlando a entrada do advogado fere literalmente o estatuto da advocacia, que diz que o advogado tem livre acesso em qualquer repartição publica, seja ela judicial ou administrativa, sem precisar pedir licença ou autorização para ninguém. E aqui no gabinete da primeira vara da comarca de Xinguara, o Juiz José Adimilson fixou um policial militar fardado, armado controlando e autorizando, ou desautorizando a entrada dos advogados no gabinete ou na sala de audiência e isso é ilegal.

Zarpelon em entrevista a TV Record Xinguara na manhã dessa qurta-feira

Zarpelon em entrevista a TV Record Xinguara na manhã dessa qurta-feira

E essas insatisfações dos advogados vão ser pautadas perante a corregedora, o que vai ser assunto da pauta também é a maior das insatisfações dos advogados, que é com relação o juiz ostentar uma arma de fogo tipo “PISTOLA”, durante as audiências, isso tem causado temor, constrangimento as partes que alegam que ao ver a arma se sente constrangidas, isso é natural do ser humano ao ver uma pessoa comum de posse de uma arma de fogo. A uma denuncia também de que o juiz tem usado indevidamente a Polícia Militar, como segurança pessoal, pelo que a OAB já apurou e até o momento não se sabe que ele tem nem uma ameaça e nem esteja fazendo parte de nem um programa de proteção, em razão disso ele não pode usar um policial para fazer sua segurança pessoal. As denuncias chegaram a OAB, e quando se recebe uma denuncia de um advogado a entidade têm que repassar, essas denuncias são de que ele tem usado o policial para ir almoçar, para ir à academia e essa ação policial é totalmente estranha, uma vez que o policiamento do Fórum é para fazer a segurança das partes, Juízes, Promotores e advogados. Palavras do presidente da OAB Xinguara, Cícero Sales.

Pré reunião após o presidente da OAB ter falado com a Corregedora

Pré reunião após o presidente da OAB ter falado com a Corregedora

No momento em que o Dr. Cícero Sales concedeu esta entrevista, aguardava a chegada de representantes da corregedoria do interior, mas a informação que chegou até nossa equipe antes do fechamento dessa matéria, é de que já se encontra na Comarca de Xinguara, a Juíza Auxiliar da Corregedoria do Interior, a Drª. Rubilene Silva Rosário. As oitivas já se iniciaram, está acontecendo no Fórum, a OAB esperava que todos os advogados que estão insatisfeitos com o magistrado, fossem ouvidos, mas isso não será possível, nesse caso apenas oito advogados serão ouvidos pela corregedora, ou seja, o Dr. Rivelino Zarpelon e mais sete colegas.

Cinco são mortos no Centro de Detenção de Icoaraci

(Foto: J.R. Avelar/Diário do Pará)

(Foto: J.R. Avelar/Diário do Pará)

Cinco presos foram mortos em um motim no Centro de Detenção Provisório de Icoaraci (CDPI), no início da noite desta terça-feira (8). A informação foi confirmada pela Superintendência do Sistema Penitenciário do Estado (Susipe).

Outros seis detentos foram encaminhados para o Hospital Metropolitano, em Ananindeua. Já 21 presos, que sofreram ferimentos leves, estão sendo atendidos dentro da unidade.

O motim teria começado após 32 detentos queimarem colchões na cela 25.

A remoção dos corpos já foi solicitada para o Instituto Médico Legal (IML).

Homens do COE e o Corpo de Bombeiros foram acionados. A situação já está controlada.

(DOL)

Policiais Militar de Xinguara realiza passeata de protesto por Ruas e Avenida da cidade

DSC_0322 [1024x768]A greve dos policiais militares do Estado do Pará continua, na manhã dessa terça-feira (08), de abril um grupo de policiais do 17º BPM, Batalhão Carajás, que aderiram o protesto, “MOVIMENTO DOS PRAÇAS”, acompanhado de familiares fizeram uma caminhada por Ruas e Avenidas da cidade para levar ao conhecimento da população, quais são os reais motivos da paralisação dos praças.

DSC_0328 [1024x768] Nas faixas e cartazes, os policiais expressavam a insatisfação com Governador Estado do Pará, Simão Jatene, pedindo união dos praças para dignidade, respeito e valorização da a classe. O sargento J. Sousa usava um microfone ligado a um carro som e em suas palavras ele deixava bem claro que os protestos não eram contra os oficiais, e sim contra o Governador do Estado do Pará.

DSC_0330 [1024x768]Os policiais aderiram o movimento depois que o Governador Simão Jatene, deu um reajuste salarial de 110% para os oficiais, deixando os praças fora do aumento. Para os manifestantes o Governador pretende dividir a Polícia Militar em duas, mais eles não admitem a divisão de uma instituição que tem quase 200 anos de existência. A greve que começou lenta vem tomando uma dimensão muito grande, já são mais de 90% dos praças da Polícia Militar em greve no estado, sem tempo determinado para se encerrar, tudo vai depender das negociações com o Governador Simão Jatene. Segundo o sargento J. Sousa presidente da Associação dos Cabos e Soldados de Xinguara.

DSC_0327 [1024x768]DSC_0326 [1024x768]DSC_0323 [1024x768]DSC_0321 [1024x768]

Policiais civis são suspeitos de estuprar adolescente em Marabá

Escrivão e investigador negam o crime. Inquérito apura o caso.
Jovem teria sido estuprada no banheiro da delegacia e depois em hotel.

Um inquérito investiga a suspeita de que dois policiais civis lotados na Seccional da Cidade Nova no município de Marabá, no sudeste do estado, teriam estuprado uma adolescente de 17 anos em janeiro deste ano. A jovem teria sido apreendida após participar de uma tentativa de latrocínio junto com o namorado, que foi preso. A violência sexual teria ocorrido duas vezes.

Os agentes negam o crime. O escrivão da Polícia Civil Jorge Tadeu Guilhon é um dos suspeitos de ter cometido o crime contra a adolescente, mas nega qualquer participação no crime. “Nem tive nenhum contato com essa moça que me acusa de ter estuprado ela”, afirmou.

Segundo a denúncia, o escrivão teria estuprado a adolescente no banheiro da delegacia de Marabá, junto com um investigador. Este último teria estuprado a jovem pela segunda vez em um hotel da cidade, quando a menor estava sendo encaminhada para o município de Redenção, também no sudeste paraense, onde reside.

O advogado que defende os policiais afirma que nada do que foi relatado pela jovem aconteceu. Os policiais continuam trabalhando normalmente.

Segundo o delegado da Superintendência Regional do Sudeste do Pará, Ricardo do Rosário, até o final desta segunda-feira (7) deve ser publicada uma portaria que vai garantir a transferência dos servidores para outro município.

“O objetivo é preservar a imagem dos policiais até o fim da apuração do caso, que vai identificar se é ou não verdade”, afirmou Rosário, que disse ainda que se os policiais forem culpados e condenados, serão imediatamente exonerados e presos.

O caso está sendo investigado pela Delegacia de Crimes Funcionais da Polícia Civil, localizada na capital paraense.

O Ministério Público do Estado do Pará investiga o crime e informou que todas as medidas cabíveis já estão sendo adotadas, mas que só irá se pronunciar sobre o caso no final do inquérito policial. (G1 Pará).

 

Advogado faz greve de fome e pede a saída do juiz de Xinguara

Dr. Rivelino Zarpelon Advogado

Dr. Rivelino Zarpelon Advogado

O advogado Dr. Rivelino Zarpelon, atual Juiz do Tribunal de Ética e Disciplina da OAB/Pará, iniciou na manhã dessa terça-feira 08 de abril, uma greve de fome em protesto contra o Exm°. Sr°. Dr°.  Juiz de Direito de Xinguara José Adimilson Gomes Pereira. O advogado está na frente do Fórum, ele só está tomando água e mais nada, segundo ele só vai sair da greve depois que tiver uma resposta das autoridades. Para o advogado a gota d’água de tudo que está acontecendo foi pelo Juiz Dr. José Adimilson, estar prejudicando centenas de trabalhadores em Água Azul do Norte, funcionários públicos daquele município, que até hoje estão sem receber o salário do mês de dezembro de 2013 e o décimo terceiro.

Dr. Rivelino Zarpelon em entrevista a Repórter Vânia Cardoso da TV Record Xinguara

Dr. Rivelino Zarpelon em entrevista a Repórter Vânia Cardoso da TV Record Xinguara

RIVELINO ZARPELON: “Mas eu venho demonstrando a minha insatisfação com esse juiz, pelo conjunto da obra, ele tem maltratado os advogados, existem vários pedidos de desagravo na OAB, de advogados que foram maltratados por este magistrado, esse Juiz recebe os advogados em sua sala com uma pistola na mão, esse Juiz coloca um policial armado na porta da sua sala, para impedir a entrada dos advogados, ferindo de morte o estatuto da advocacia e da OAB”. Disse o Dr. Rivelino Zarpelon.

Rivelino disse ainda, que o advogado tem livre acesso em qualquer repartição publica onde existam processos seja ele judicial ou administrativo, ele tem que ver o lado dessa prerrogativa do advogado. Segundo o Dr. Rivelino Zarpelon, que é publico e notório que o Juiz Dr. José Adimilson, cria a dificuldade e depois vende a facilidade, com a criação das dificuldades as pessoas chegam e oferecem benéfica, ai ele coloca preços em sentencias. O advogado em greve deu como exemplo as matérias que estão no CNJ, onde o magistrado é citado, são varias essas matérias em vários sites, inclusive no G1, a mesma pratica é usada em Xingura. Afirmou Dr. Rivelino.

Momento em que Rivelino Zarpelon falava ao vivo com a Rádio Berokam de Rio Maria

Momento em que Rivelino Zarpelon falava ao vivo com a Rádio Berokam de Rio Maria

RIVELINO ZARPELON: “A frase que eu estou usando aqui é a mesma que o CNJ já usou, é um mercador de sentencia, então imagina um Juiz que tem a função de distribuir a justiça, ele começa a vender sentencia, a direcionar a justiça a determinados grupos sociais, começa a direcionar processos e sentencias para determinado grupo de advogados, um grupo muito pequeno de advogados, enquanto a maioria dos advogados encontra dificuldades, estão sendo maltratados, sendo recebidos com arma em punho, arma em cima da mesa, com gritos, o juiz mostra total desequilíbrio, ele é um risco para a sociedade, porque ele é desequilibrado e anda armado, então ele é um risco, ele pode ferir um cidadão, pode ferir um advogado, eu alertei a OAB sobre a possibilidade desse juiz ferir um advogado em sala de audiência ou em qualquer outro lugar”.

REPÓRTER: Sabemos que o senhor não pode falar sobre caso especifico, mas essa pratica de facilitação de sentencias acontece aqui em Xinguara?

RIVELINO ZARPELON: “Acontece corriqueiramente, cotidianamente, agente já entra sabendo quem vai ganhar o processo, então a justiça virou uma feirinha, uma banca de venda de produto, o processo só anda aqueles que ele quer aqueles processos dos advogados que é dele, da parte que já negociou com ele, tem gente ai de caso importante que estava preso e verbalizou, olha amanhã eu estou solto já paguei e no outro dia estava solto mesmo, e isso tem que ser investigado, isso é vergonhoso”. Palavras do advogado em greve de fome.

REPÓRTER: Qual o objetivo do protesto em forma de greve de fome?

RIVELINO ZARPELON: “Eu quero o afastamento do Juiz de Direito de Xinguara José Adimilson Gomes Pereira, porque ele não tem condições, não um processo ou por outro, mas pelo conjunto da obra e por todas as pratica irregulares que ele vem fazendo aqui, incompatível com o cargo de magistrado, de juiz que ele exerce, isso que eu quero o afastamento, tá escrito ali na faixa, FORA MERCADOR DE SENTENCIA, é isso que eu quero é esse meu objetivo”.

REPÓRTER: A quem já foi comunicado essa situação toda?

RIVELINO ZARPELON: “Olha eu comuniquei a OAB – Ordem dos Advogados do Brasil local, OAB – Ordem dos Advogados do Brasil da Seção Pará, eu comuniquei a Comissão de Direitos Humanos da OAB, foi comunicado também a Sociedade Paraense de Defesa dos direitos Humanos, comuniquei o Programa de Proteção aos Defensores de Direitos Humanos, que é um programa que eu sou cliente, estou incluído nele por causa da ameaça de morte que eu sofre na época do processo da Drª. Rita Helena que foi aposentada compulsoriamente, sendo punida com a perca do cargo de juíza e expulsão da magistratura, foram essa comunicações feitas por mim”. Já tenho noticias de que essa informação já chegou à presidência do Tribunal, inclusive eu tenho informações de que esse ato já chegou ao conhecimento de alguns membros do Conselho Nacional de Justiça.

REPÓRTER: Qual a posição da OAB sobre a ação do Dr. Rivelino?

RIVELINO ZARPELON: A OAB, ponderou comigo em vários pontos e em relação desse meu ato, obviamente tentou me demove-lo da ideia por algum momento, mais assim que viu que não conseguiria, vendo que eu estava determinado a fazer essa greve a partir dai começou a mim dar apoio, tem me acompanhado e tem sido importante para mim esse apoio. Eu sabia que iria começar essa greve de fome hoje às 08 horas da manhã, mas não sei quanto tempo vai durar, vou ficar até quando tiver uma resposta das autoridades.