Tribunal do Júri de Xinguara voltou a se reunir e o réu foi absolvido

Iran Ferreira Sampaio, Juiz presidente do Tribunal de Júri

Iran Ferreira Sampaio, Juiz presidente do Tribunal de Júri

Nessa manhã quarta-feira 22 de outubro o Tribunal do Júri Popular de Xinguara voltou a se reunir na Câmara Municipal, dessa vez o Conselho de Sentença foi formado para o julgamento do réu Eudes Pereira da Silva, vulgo, “NEGUNHO DA FEDERAL”, o conselho foi composto por 06 mulheres e apenas um homem.

O réu Eudes Pereira da Silva, vulgo, “NEGUNHO DA FEDERAL”, acusado de ter assassinado a bala no dia 6 de julho de 2011, no Terminal Rodoviário de Xinguara, a vítima Divino Ribeiro.O Conselho de Sentencia teve como presidente o Juiz de Direito Iran Ferreira Sampaio, na acusação trabalhou o representante do MP – Ministério Público, Promotor de Justiça Dr. Ramon Furtado, na defesa do réu trabalhou a Defensora Pública Juliana Andreia Oliveira.

Representante do MP – Ministério Público, Promotor de Justiça Dr. Ramon Furtado

Representante do MP – Ministério Público, Promotor de Justiça Dr. Ramon Furtado

Diferente do julgamento da última terça-feira 21, que foi muito extenso, em menos de quatro horas o resultado da sentencia já havia saído. No debate tanto a acusação quanto à defesa foi convicta em pedir aos jurados que absolvesse o réu, baseados nos autos, a acusação e a defesa entenderam que não havia provas suficientes para que Eudes fosse condenado.

Após os debates Juiz, Promotor, Defensora, Oficiais de Justiça e Jurados se reuniram na sala secreta para a votação, de onde votaram com a decisão. Depois de feitas todas as considerações e agradecimentos à leitura da sentencia foi realizada pelo Exmo. Juiz de Direito Dr. Iran Ferreira Sampaio.

Leitura na integra:

Defensora Pública Juliana Andreia Oliveira

Defensora Pública Juliana Andreia Oliveira

Tribunal do Júri Comarca de Xinguara. Crime Art. 121 caption do código penal brasileiro, o autor é o Ministério Público do Estado do Pará, na pessoa do Promotor de Justiça Ramon Furtado, réu Eudes Pereira da Silva, vítima Divino Ribeiro. Sentencia, para a presente decisão adoto como relatório o apresentado nessa seção em plenário, o pronunciado Eudes Pereira da Silva, já qualificado nos autos foi submetido a julgamento pelo tribunal do júri popular dessa comarca, tendo o digno conselho de sentença reconhecido por maioria de votos, a materialidade do delito e rejeitado também por maioria de votos a autoria do crime em relação ao réu.

Momento da leitura da sentença

Momento da leitura da sentença

Assim júri não reconheceu responsabilidade criminal do réu por homicídio simples, diante do exposto no Art. 492 § 2 do código de processo penal, em consonância com a soberana decisão do júri popular julgo improcedente a proteção punitiva do estado para absolver o réu Eudes Pereira da Silva, no Art. 386 § 4, cominado com o Art. 483 § 2, todos do código de processo penal. Espessa-se o alvará de soltura devendo o réu ser posto em liberdade, se por outro crime não se encontrar preso. Após ser julgado procedo ao arquivamento dos autos e as faixas devidas, isento de custas, sentença publicada em plenário do júri e dela intimadas as partes. Xinguara 22 de outubro de 2014, Iran Ferreira Sampaio, Juiz presidente do Tribunal de Júri.

Neste caso o réu Eudes Pereira da Silva, volta para o Centro de Recuperação de Redenção, onde permanecera preso por estar respondendo outros crimes.

Sul do Pará: Deca prende pessoas e apreende armas

Armas apreendidas durante ação policial

Armas apreendidas durante ação policial

Uma operação da Polícia Civil realizada na zona rural de municípios do sul do Pará prendeu quatro pessoas e apreendeu 10 armas. As ações foram realizadas em Conceição do Araguaia, Santa Maria das Barreiras, Santana do Araguaia e São Félix do Xingu, durante os últimos 12 dias. As informações foram divulgadas nesta terça-feira (21).

A operação foi executada pela Superintendência Regional do Araguaia e da Delegacia de Conflitos Agrários de Redenção (Deca). De acordo com o delegado Antônio Miranda, a operação visa reprimir atos criminosos e promover a paz no campo.

Segundo o delegado Valdivino Junior, os presos foram autuados por posse ilegal de arma de fogo e responderão aos processos em liberdade em decorrência de arbitramento de fianças. (G1/PA)

Tribunal do Júri de Xinguara condena réu em 16 anos de reclusão

Juiz Iran Ferreira no momento da leitura da sentencia

Juiz Iran Ferreira no momento da leitura da sentencia

O Júri Popular de Xinguara se reuniu nesta terça-feira 21 de outubro na Câmara Municipal, para a realização do julgamento do réu Ronilton da Silva Conceição, acusado de ter assassinado a bala no dia 9 de setembro de 2012, a vítima Carlos Alexandre Gonçalves de Freitas.

O corpo do júri que foi composto por 07 pessoas, sendo 05 homens e 02 mulheres, teve como presidente o Juiz Dr. Iran Ferreira Sampaio da 2ª Vara da Comarca de Xinguara, como acusação o representante do MP – Ministério Publico, Promotor de Justiça Dr. Ramon Furtado, na defesa atuaram os advogados Dr. Gustavo Peres e Dr. Cleomar Coelho.

Acusação: Dr. Ramon Furtado (Promotor de Justiça)

Acusação: Dr. Ramon Furtado (Promotor de Justiça)

No julgamento extenso, com duração de 09 horas, tanto a acusação quanto à defesa, desempenharam suas funções dentro da lei e no que constava nos autos do inquérito, com um debate sólido e contundente. De um lado a defesa querendo absolver seu cliente e do outro lado à acusação pedia a condenação do réu, até chegar a hora da votação na sala secreta.

Para a sala secreta, foi o Juiz, Promotor, Advogados de defesa, Oficiais de Justiça e Jurados. De onde voltaram com a decisão do Conselho de Sentencia. Antes de fazer a leitura da sentencia o Exmo. Juiz Dr. Iran Ferreira agradeceu a população que lotou o plenário da Câmara Municipal, para assistir um ato de democracia, além de agradecer todas as autoridades presentes o magistrado fez questão de agradecer e parabenizar em nome do Ten. Cel. Luiz comandante do 17º BPM, Batalhão Carajás pelo trabalho ostensivo da Polícia Militar, que vem diminuindo a criminalidade em Xinguara.

Advogado de defesa Dr. Gustavo Peres

Advogado de defesa Dr. Gustavo Peres

Antes de encerrar a seção o Juiz falou as duas famílias, da vítima e do réu, passando uma palavra de conforto, dizendo que os dois lados estavam sofrendo, “Mas entre mortos e feridos todos nós perdemos, uma pessoa perdeu sua vida e temos hoje aqui um jovem diante do tribunal do júri, respondendo um processo criminal”, mas que independentemente da decisão, sendo ela de condenação ou

Advogado de defesa Dr. Cleomar Coelho

Advogado de defesa Dr. Cleomar Coelho

absolvição, tudo foi feito dentro da lei e da democracia brasileira. Por fim a leitura da sentencia: Crime Art. 121, parágrafo 2ª § 2 e 4 do Código Penal Brasileiro, autor o MP – Ministério Publico do Estado, réu Ronilton da Silva Conceição, vítima Carlos Alexandre Gonçalves de Freitas. Sentencia para a presente decisão adoto como relatório apresentado nessa seção plenária o pronunciado Ronilton da Silva Conceição, já qualificado nos

Réu Ronilton da Silva Conceição

Réu Ronilton da Silva Conceição

autos, foi submetido a julgamento pelo júri popular desta Comarca, tendo o digno conselho de sentencia reconhecido por maioria de votos à autoria e materialidade do delito e rejeitado as tese defensivas em especial a legitima defasa, reconhecendo ainda por maioria de votos as qualificadoras do motivo fútil e a pratica do crime a traição, ou seja, o que dificultou a defesa da vítima, assim o júri reconheceu a responsabilidade criminal do réu, por homicídio qualificado pelo motivo fútil e a traição, crime hediondo qualificado no Art. 121, parágrafo 2ª § 2 e 4 do Código Penal, cominado com Art. 1º da lei 8.072 lei de crimes hediondos, o que se impõe uma pena de 12 a 30 anos de prisão.

Acadêmicos de Direito assistindo ao julgamento Francisco Júlio, Jessica Carneiro e Karita Karla

Acadêmicos de Direito assistindo ao julgamento Francisco Júlio, Jessica Carneiro e Karita Karla

Considerando o que determina o Art. 492 § 1º do código de processo penal, passo a analisar os critérios de fixação da reprimida penal, presto no Art. 59 do código penal, passando a submeter a pena, tendo elevado o grau de culpabilidade de reprovabilidade da conduta de réu, por quanto agiu com dolo intenso, antecedentes criminais, inexistem registros, sendo réu primário, por tanto de bons antecedentes, não a informação que possibilita incorreta

Acadêmicos de Direito assistindo ao julgamento João Rosa e Hiago Alves

Acadêmicos de Direito assistindo ao julgamento João Rosa e Hiago Alves

avaliação da conduta social do réu. MOTIVO, considerando que foi reconhecida a qualificadora do motivo fútil, deixo de analisar as circunstâncias judicial, hora aventada, afim de não incidir no pise item. CIRCUNSTÂNCIA DO CRIME entendo as circunstâncias desfavoráveis, entretanto, entendo por se tratar de homicídio qualificado, as consequências do entender desse Juiz é grave, visto que a vítima deixou duas crianças órfãs e uma jovem mulher viúva, além de que a vítima possuía uma baixa idade, entendo que a vítima em nada contribuiu para a pratica do delito, como se vê nas analise a cima as circunstâncias judiciais são desfavoráveis, bem como o fato do reconhecimento pelo júri da segunda qualificadora da ação traiçoeira, que pode ser valorada pelo Juiz na fase do Art. 59 do código penal, como circunstância desfavorável ao agente, assim venho por justo e razoável aplicar a pena base no patamar de 17 anos de reclusão.

DSC_0084 [1600x1200]Seguindo a regra do Art. 68, impõe considerável as circunstâncias atenuantes e agravantes, por último as causas de diminuição e aumento de pena, presente da confissão espontânea, assim sendo, reduzo a pena já fixada para 16 anos de reclusão, ausentes agravantes bem como causa de aumento ou diminuição de pena, torno a pena concreta em definitiva em 16 anos de DSC_0080 [1600x1200]reclusão. O teor que se dispõe o Art. 2º da lei 8.072 de 1990, com nova redação dada lei 11.464 de 2007, assim com o Art. 43, paragrafo 2º do código penal, a pena deve ser cumprida inicialmente em regime fechado no Centro de Recuperação de Redenção, nego ao réu o direito de apelar em liberdade, visto que no decorrer da instrução quebrou as regras de liberdade provisória, bem como de estar presentes os requisitos do Art. 312 do código de processo penal, a saber a necessidade de aplicação da lei penal, ante exposto em consonância com a soberana do júri popular julgo procedente perfeição punitiva do estado para condenar o réu Ronilton da Silva Conceição, já qualificado a pena de 16 anos de reclusão por ser o autor do crime que vitimou Carlos Alexandre Gonçalves de Freitas, ocorrido em 09 de setembro de 2012, visto que praticou homicídio qualificado, crime hediondo no Art. 121, parágrafo 2ª § 2 e 4 do Código Penal, cominado com Art. 1º § 1º da lei 8.072 de 1990, lei de crime hediondo, tudo nos termos do Art. 492 § 1º do código de processo penal, isento de custas espécies a guia de execução anote se o nome do condenado no rol dos culpados, comunique-se a condenação ao TRE do Pará, para os fins legais, emita no boletim individual da Secretaria de Segurança e proceda todas as comunicações devidas em especial a Justiça eleitoral, encaminhe a arma do crime ao Êxito Brasileiro para destruição, sentencia publicada no plenário do júri. Xinguara 21 de outubro de 2014, Iran Ferreira Sampaio Juiz Presidente do Tribunal do Júri.

Operação “FECHA BOCA” tira traficantes das Ruas de Xinguara

Policiais apresentando os acusados (Fotos: PC)

Policiais apresentando os acusados (Fotos: PC)

Os policiais civis de Xinguara, IPC Silvio André, IPC João Flavio, IPC Amilcar Viana, IPC Jessica Guimarães e EPC Flaviane da Rocha, sob o comando do DPC José Orimaldo Farias, deflagraram nas tardes dos dias 18 e 19/10/2014, a operação “FECHA BOCA”. Após minucioso levantamento realizado pela Polícia Civil em supostos pontos de comercialização de Crak, o delegado representou pela busca e apreensão que de pronto foi decretado pelo juiz de direito da Comarca, Dr. Iran Ferreira Sampaio.

IMG_20141020_092957428_HDRCom os mandados em mãos os policiais se deslocaram às bocas de fumo, com o fim de fecha-las. As diligencias começo pela boca de fumo do acusado José Francisco de Santana, localizada no setor dos Carroceiros, em seguida o segundo alvo foi à boca das acusadas Flavia de Fontes Mendanha e Elisangela Alves da Conceição, que funcionava em um bar as proximidades do terminal rodoviário, e por fim na boca de fumo da adolescente infratora de iniciais CMSC, de 15 anos, neta do conhecido traficante Josué Soares, vulgo “SANTOS”, a qual era quem estava encarregada da comercialização no local, após a prisão de seu avô. Nas diligencias a Polícia conseguiu apreender grande quantidade da droga conhecida como Crak e mais de R$ 2.000,00 reais em dinheiro fruto da venda dos entorpecentes.

A operação “FECHA BOCA” tem o aval do juiz de direito de Xinguara, Dr. Iran Ferreira Sampaio, que não se exime de contribuir para combater o crime organizado do tráfico de drogas da cidade de Xinguara e região. Sem esse apoio não seria fácil prender tais criminosos, afirmou o delegado Orimaldo.

IMG-20141019-WA0006Os criminosos responderão por tráfico de entorpecentes e corrupção de menores.

As buscas continuarão. As ações fazem parte de um rigoroso combate à criminalidade na cidade de Xinguara, coordenado pelo delegado titular da cidade, José Orimaldo Farias. COM INFORMAÇÕES DA POLICIA CIVIL DE XINGUARA

Copa Sul Pará: Xinguara vence Água Azul e respira na competição

A seleção de futebol de Xinguara que vinha de derrota da última rodada jogando fora de casa, voltou a campo e conseguiu uma vitória importante contra Água Azul do Norte.

Jogando em Santana do Araguaia no último dia 11, a seleção xinguarense perdeu para a seleção local por 1×0. No sábado passado dia 18, Xinguara recebeu a seleção de Água Azul, dessa vez o jogo foi em seus domínios, mesmo não tendo bons resultados nos últimos jogos, a seleção levou bom numero de torcedores ao Estádio Jota Santos.

No primeiro tempo de jogo, Xinguara apesar de apresentar um bom futebol não conseguiu furar o bloqueio adversário, na volta do intervalo o técnico Reginaldo Martins fez duas substituições em seu ataque, sacou Cafu e Boka para a entrada de Lua e Edilsinho colocando velocidade no time, não demorou muito para Reginaldo acelerar mais um pouco, dessa vez a mexida foi no meio campo, saiu Manoel para dar lugar para Tarnilson.

Com as modificações o time ganhou velocidade e o resultado veio, os gols foram marcados por Luan e Tarnilson, que veio do banco para mudar a historia do jogo. Com a vitória por 2×0 sobre água Azul fez com que a seleção de Xinguara respirasse mais aliviada na tabela, podendo sonhar com a classificação para a próxima fase, restam dois jogos na primeira fase, conquistando os seis pontos Xinguara pode ficar com o primeiro lugar do grupo, os dois confrontos será contra Tucumã, primeiro joga em casa, depois vai a cidade de Tucumã para fechar a fase.

Casal foi preso pela PRF na BR 155

Romerio Roberto de Araújo

Romerio Roberto de Araújo

Por volta das 20 horas da última sexta-feira 17 de outubro, foi apresentado pela Polícia Rodoviária Federal na delegacia de Polícia Civil de Xinguara, o senhor Romerio Roberto de Araújo e a senhora Amanda Ferreira Aguiar, sobe a acusação de tráfico de droga. A prisão aconteceu na BR 155 entre as cidades de Xinguara e Rio Maria, os acusados trafegam pela rodovia em um veiculo GM MERIVA, ANO 2010/2011, PLACA NST3819, DE COR VERDE, que vinha sentido Rio Maria a Xinguara, ao avistar uma guarnição da PRF, os acusados manobrou o veiculo e retornou sentido Rio Maria.

Ao perceber a atitude suspeita os policiais da PRF, Gelson Antônio, Alexandro e Carlos Oliveira que estavam com uma barreira policial montada no posto desativado da PRF, entre os dois municípios, seguiram os veiculo que foi abordado após terem rodado 03km, no momento da abordagem o carro estava sendo conduzido pela senhora Amanda, policiais perceberam que Romerio que estava no banco do passageiro apresenta estar muito nervoso, foram pedidos os documentos pessoais de Amanda e de Romerio, na oportunidade Romerio apresentou a copia de uma carteira de habilitação em nome de Rosanio Roberto de Araújo, dizendo ser sua, mas os policiais contaram que o documento apresentado não era de Romerio, em seguida ele mesmo confirmou que a copia da CNH era de seu irmão e em seguida apresentou a sua.

A atitude do acusado causou mais desconfiança nos policiais, Romerio e Amanda juntamente com o veiculo foram detidos e levados para a delegacia de Xinguara para averiguações. Ao chegarem ao pátio da DEPOL, os policiais fizeram uma revista no interior do veiculo onde encontraram uma arma de fogo tipo revolver calibre 38 municiado com seis projeteis intactos e uma barra de entorpecente conhecido como MACONHA, pesando aproximadamente 200 gramas. O material apreendido estava escondido no console do freio de mão do veiculo. Tudo foi apresentado ao delegado José Orimaldo que se encontrava de plantão para que fossem tomadas todas as providencias legais, após toda averiguação foi constatado que Romerio era acusado de ter assassinado o sindicalista Pedro Alcantara, no ano de 2010, na cidade de Redenção no Pará, foi constatado também que Romerio foi indiciado em procedimento inquisitivo por infringência ao artigo 33 da lei 11343/06, na cidade da Ourilândia do Norte-Pa.

Após as oitivas o delegado autuou Romerio Roberto de Araújo em flagrante por porte ilegal de arma e por tráfico de droga, o delegado disse que o Juiz será comunicado da prisão e Romerio ficara a disposição da Justiça. Quanto a Amanda, após ser ouvida foi liberada.

Suposto serial killer afirma à polícia que sofreu abuso sexual na infância

Vigilante disse ainda que foi vítima de bullying e teve ‘desilusões amorosas’.
De acordo com delegados, ele confessou ter matado 39 pessoas na capital.

Tiago afirmou que sofreu abuso quando era criança (Foto: Luísa Gomes/G1)

Tiago afirmou que sofreu abuso quando era criança
(Foto: Luísa Gomes/G1)

Oito delegados integrantes da força-tarefa que investiga morte de mulheres, em Goiânia, colheram depoimentos do vigilante Tiago Henrique Gomes da Rocha, de 26 anos, apontado como autor de 39 homicídios na capital. As oitivas, que duraram mais de sete horas, começaram na tarde de quinta-feira (16) e terminaram no início desta madrugada. Além de confessar os crimes e dizer que agia após o consumo de bebidas alcoólicas, o suspeito também alegou que foi abusado sexualmente por um vizinho quanto tinha 11 anos, o que o teria deixado “traumatizado”.

Os depoimentos ocorreram na Delegacia Estadual de Repressão a Narcóticos (Denarc), onde o vigilante está preso desde terça-feira (14). Além do suposto abuso, Tiago afirmou aos delegados que sofreu bullying na escola, foi vítima de várias traições e desilusões amorosas. Segundo ele, isso o teria feito sentir uma “raiva da sociedade”. Para extravasar esse sentimento, ele começou a matar. “Ele ficava angustiado, procurando uma forma de resolver o problema e descobriu que matando ele se sentia melhor”, disse ao G1 o delegado Mauricio Massanobo Kai. (G1)

Incêndio destrói papelaria Sapucaia

10735819_547569975374115_1981700136_nDe acordo com informações do Sargento Telles comandante do policiamento do destacamento da cidade de sapucaia a 35 km de Xinguara, á Papelaria HM localizada na Rua Doria no centro da cidade foi destruída por um incêndio na noite da última quarta-feira (15) de outubro.

De acordo com o Sargento Telles que atendeu a ocorrência com o apoio dos soldados Renato e Jhonatas, a PM acionou um caminhão PIPA da prefeitura aonde com ajuda de populares conseguiu controlar o fogo já na madrugada desta quinta-feira por volta das 02hs.

10699292_547569988707447_1654817663_nSegundo a polícia, o incêndio foi controlado a tempo, porque colocavam em risco os prédios do Banpará, do Cartório e da própria prefeitura municipal.

O Sargento Telles relatou a nossa reportagem, que as causas ainda são desconhecidas, e que somente a pericia vai descobrir a verdadeira causa do incêndio. (Texto e Fotos: Luiz Pereira)

A Comarca de Xinguara vai receber Justiça Itinerante

Dr. Iran Ferreira Sampaio

Dr. Iran Ferreira Sampaio

O Juiz de Direito Iran Ferreira Sampaio que responde pela 2ª Vara da comarca de Xinguara, reuniu a imprensa local na manhã dessa quarta-feira (15), para falar sobre a justiça itinerante que será realizada pelo Tribunal de Justiça na jurisdição de Xinguara.

O trabalho vai começar na cidade de Água Azul do Norte, dois juízes vão atender nos próximos dias 18 e 19 de outubro, na sede do município. Segundo o Dr. Iran Ferreira, a justiça itinerante é um serviço realizado para a população que fica distante da comarca e que tem dificuldade para acessar a justiça, com isso vai agilizar a vida de muita gente.

A justiça itinerante serve para resolver os casos de conciliação, pensão alimentícia, processos e causas de pequeno poste, ou seja, a justiça chega até quem tem dificuldade de vir até ela. A próxima data definida para novos atendimentos será nos dias 1 e 2 de Novembro deste ano, nessa data a justiça itinerante será realizada no Distrito de Nova Canadá no município de Água Azul do Norte, mas todas as cidades ou distritos que estejam sobre a responsabilidade da comarca de Xinguara vão receber a justiça itinerante. Afirmou o magistrado

O Juiz fez questão de dizer que o Fórum está à disposição de toda a população, sem distinção. O magistrado aproveitou a ocasião para avisar que nos dias 21 e 22 de outubro, o Júri Popular de Xinguara estarão reunido para a realização de dois julgamentos. Ocasião que dois réus serão julgados pelo crime de homicídio.

No dia 21 o senhor Ronilton da Silva Conceição, será julgado pelo crime de homicídio duplamente qualificado, por motivo fútil, supostamente cometido pele acusado, em desfavor da vitima Carlos Alexandre, no dia 09 de setembro de 2012 por volta de 2:30h, da madrugada através de disparo de arma de fogo.

No dia 22 o júri se reuni novamente para julgar o senhor Eudes Pereira da Silva, conhecido como “NEGUINHO DA FEDERAL”, ele Também será julgado pelo crime de homicídio qualificado, supostamente cometido pele acusado, em desfavor da vitima Divino Ribeiro, no dia 06 de julho de 2011, também por volta de 2:30h, da madrugada através de disparo de arma de fogo. Dr. Iran Ferreira convida toda população para participar desse ato de democracia, os julgamentos serão realizados na Câmara de vereadores e as portas estarão abertas para quem queira participar.