Advogados de Lula costuram acordo para que ele seja preso neste sábado

Ex-presidente participaria de missa em homenagem à ex-primeira-dama Marisa Letícia e se entregaria depois

SÃO BERNARDO DO CAMPO: Advogados do ex-presidente Luiz Inicio Lula da Silva negociam com a Polícia Federal para que ele seja preso neste sábado (7), após a missa em homenagem à ex-primeia-dama Marisa Letícia. Ela completaria 68 anos nesta data.

Segundo aliados do ex-presidente, Lula, petistas e movimentos de esquerda só admitiam, até a tarde desta sexta (6), uma hipótese: que a polícia fosse obrigada a buscá-lo na sede do sindicato. Um dos mais fervorosos defensores dessa saída, o líder do MTST Guilherme Boulos, repetia que Lula deveria se preocupar com a imagem que passaria para a História.

Uma reunião com advogados provocou o recuo. Os juristas alegaram que Lula seria punido juridicamente caso desrespeitasse uma ordem judicial. A intervenção do ex-ministro José Eduardo Cardozo foi incisiva contra o descumprimento da ordem:
“Quem vai pagar pelos prejuízos legais que sofreremos?”, perguntou.

Três emissários de Lula foram na noite dessa sexta à Polícia Federal, em São Paulo, para negociar as condições de prisão do ex-presidente. O trio —composto por dois advogados e um dirigente do PT— deixou o sindicato dos Metalúrgicos às 18h, após tenso debate.

Três horas antes, às 15h, advogados de Lula chegaram a informar à PF a decisão de esperar que os policiais fossem buscá-lo no sindicato. A PF argumentou que não teria chances de entrar no sindicato. Segundo petistas, agentes à paisana estavam entre os manifestantes. Abriu-se, então, nova negociação, mas só depois que Lula admitiu a hipótese de se apresentar.

Aliados do ex-presidente também alertaram para o risco de incidentes caso a polícia tivesse de entrar na sede do sindicato. Qualquer conflito poderia levar a um isolamento do ex-presidente e dos partidos que o apoiam.

“Agora, precisamos ampliar com outras forças da sociedade”, diz o ex-ministro Orlando Silva, para quem seria temerário que a resistência se limitasse ao PT, PSOL e PCdoB. Petistas lembram que Lula já deu uma demonstração de força ao não seguir o roteiro do juiz Sérgio Moro.

Fonte: Folha de São Paulo

SEM COMENTÁRIO