Barbara Bush morre aos 92 anos

Barbara Bush, em foto de 2013 (Foto: AP Photo/Robert F. Bukaty)

Ex-primeira dama dos EUA estava com a saúde debilitada e decidiu não procurar mais tratamento médico.

George H. W. Bush (à esquerda), Barbara e o filho George W. Bush (Foto: Jason Reed/Reuters)

arbara Bush, ex-primeira-dama dos Estados Unidos, morreu nesta terça-feira (17), aos 92 anos, informou a família. Os detalhes de funeral ainda serão anunciados.

“A ex-primeira-dama dos Estados Unidos da América e incansável defensora da alfabetização Barbara Pierce Bush morreu aos 92 anos nesta terça-feira, 17. Ela deixa seu marido George H. W. Bush, com quem foi casada por 73 anos, seus cinco filhos e companheiros, 17 netos, sete bisnetos e seu irmão Scott Pierce”, diz o comunicado.

Com a saúde frágil após uma série de internações, Barbara Bush decidiu não buscar mais tratamentos médicos, conforme anunciou um porta-voz da família no último domingo (15).

Esforços de alfabetização

A Fundação Barbara Bush para Alfabetização Familiar começou durante seus anos na Casa Branca com o objetivo de melhorar a vida dos americanos menos privilegiados, ampliando a alfabetização de pais e filhos.

A fundação faz parcerias com programas locais e, em 2014, concedeu mais de US$ 40 milhões em para criar ou expandir mais de 1.500 programas de alfabetização em todo o país.

“Eu ainda sinto que sermos mais alfabetizados irá nos ajudar a resolver muitos dos outros problemas enfrentados por nossa sociedade”, escreveu ela em sua biografia de 1994.

História

Barbara Bush é a segunda mulher na história dos EUA a ser esposa e também mãe de um presidente.

Seu marido, George H. W. Bush, foi o 41º presidente do país, enquanto seu filho George W. Bush, um dos seis filhos do casal, foi o 43º.

Abigail Adams foi a mulher do segundo presidente dos EUA, John Adams, e mãe do sexto presidente do país, John Quincy Adams.

O cabelo branco

O cabelo castanho de Barbara Bush começou a ficar grisalho nos anos 1950, quando sua filha de então 3 anos, Pauline, chamada pela família de Robin, foi submetida a um tratamento contra a leucemia. Ela morreu em outubro de 1953.

Barbara Bush recusou-se a tingir o cabelo, que acabou ficando branco. Mais tarde ela disse que cabelos tingidos não lhe caíam bem e atribuiu à cor a imagem que tinha perante o público, de “avó de todo mundo”.

Seu filho George disse que uma “das maiores conquistas” de seu pai, que gostava de inventar apelidos para amigos e parentes, foi chamar Barbara de “a raposa prateada”.

Colar de pérolas

O colar de pérolas falsas com três voltas de Barbara Bush se tornou uma tendência nacional depois que ela o usou na posse de seu marido, em 1989. As pérolas se tornaram um sinônimo de Bush, que mais tarde disse que as escolheu para esconder as rugas em seu pescoço.

A sincera confissão apenas impulsionou sua imagem pública de senso comum e pé no chão. Uma versão do colar, “o famoso três voltas, atado à mão com fecho dourado”, ficou disponível por US$ 125 na George Bush Presidential Library and Museum na Texas A&M University.

A personalidade

Barbara e o marido George H. W. Bush em foto de março de 2015 (Foto: David J. Phillip, File/ AP Photo)

George W. Bush ressaltou, em seu livro pós-presidencial “Decision Points”, que herdou de sua mãe uma personalidade rápida e contundente.

A mulher dele, Laura, disse que sua sogra “conseguiu insultar quase todos os meus amigos com um outro comentário amargo perfeitamente cronometrado”.

Barbara Bush manteve seu sarcasmo disfarçado em público, embora um deslize notório tenha acontecido em 1984, quando seu marido estava concorrendo à reeleição como vice-presidente na chapa de Ronald Reagan.

Seus oponentes democratas, Walter Mondale e Geraldine Ferraro, questionaram se pessoas ricas como os Bush conseguiam se identificar com os americanos comuns. Uma Barbara Bush irritada disse a um repórter que Ferraro era uma “’não posso falar’ de US$ 4 milhões – mas rima com rica (rich, em inglês)”. Bush, mais tarde, disse que quis dizer “witch” (bruxa) e se desculpou; Ferraro aceitou as desculpas.

SEM COMENTÁRIO