Notícias

Cadeia produtiva da mandioca é debatida com produtores em Bragança

a5e85db251ce1b1c338e9972c269b10eBragança é sede do segundo seminário participativo para definição do Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva da Mandioca no Estado do Pará, que vem sendo formulado pela Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap) em parceria com a Adepará, Emater, Sedeme, Embrapa, Organização das Cooperativas Brasileira (OCB), Faepa e Fetagri. Mais de 50 produtores, técnicos e pesquisadores de oito municípios da região nordeste do Estado estão reunidas no Centro de Treinamento da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) do Pará, no município. O seminário começou na terça (9) e segue até quarta-feira (10).

De acordo com dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Pará é o maior produtor brasileiro de mandioca, com uma produção anual de 4,6 milhões de toneladas e uma área plantada de pouco mais de 302 mil hectares. Vários municípios são produtores, sendo dez deles com maior produção no Pará. São eles, pela ordem: Acará, Santarém, Oriximiná, Alenquer, Bragança, Belterra, Santa Maria do Pará, Mojuí dos Campos, Juruti e Óbidos. Estes municípios, somados, respondem por 40% da produção total paraense.

O primeiro seminário para definição do programa foi realizado pela Sedap  em julho, em Santarém, e reuniu produtores  da região oeste do Estado. Agora, estão sendo ouvidos produtores dos municípios de Bragança, Capanema, Santa Maria, Bonito, Ourém, Tracuateua, Garrafão do Norte e Igarapé-Açu. “Todos os elos da cadeia estão representados neste seminário. Desde o produtor de mandioca, até a pessoa que industrializa a produção, passando pelo fornecedor de equipamentos para a indústria”, explica o diretor de Agricultura Familiar da Sedap, Luiz Pinto.

Entender a dinâmica dos cultivos de mandioca no estado é fundamental para definir as ações do Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva da Mandioca no Estado do Pará.

A implantação de um novo modelo de arranjo produtivo para a mandioca faz parte das ações do Programa Pará 2030, um plano estratégico elaborado pelo governo do estado para fomentar o desenvolvimento sustentável. No caso da mandioca, uma das cadeias consideradas pelo Pará 2030 como prioritárias, a ideia é incorporar segmentos industriais e novas tecnologias para aumentar a geração de renda, principalmente na agricultura familiar onde se concentra a produção de mandioca, e gerar novos empregos em diferentes setores econômicos ligados ao processamento e venda do produto.

(Com informações da Sedap)

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar