NotíciasXinguara

Celpa de Xinguara está um verdadeiro caos

DSC_0075 [1600x1200]A empresa Celpa que fornece energia na cidade de Xinguara, no sudeste do Pará, vem tratando o consumidor sem nem um pouco de respeito, a começar pelas más condições em que se encontram o prédio onde funciona a sala de atendimento ao público. As paredes caindo aos pedaços, o forro preste a desabar sobre a cabeça dos clientes, sem contar o risco que pessoas correm ao sentar nas cadeiras que faltam almofadas onde os clientes usam para se encostar. Os encostos, apenas no ferro, oferecem riscos de alguém se cortar e, assim, sofrer danos físicos.

20150609065327O descaso não para por ai. Um aviso bem legível na porta de entrada do prédio indica o horário de atendimento, apenas indica, pois, não se cumpre o que ali está escrito. A informação no comunicado diz que, o horário de funcionamento é das 08h às 12h e das 13h às 17h, só que, nessa segunda-feira, 8 de junho, dezenas de pessoas ficaram esperando na porta até as 14 horas, quando as portas foram abertas. A explicação por parte de uma funcionaria, é de que as portas se fecham às 12 horas, mas o horário de almoço dos atendentes só começa a contar após o atendimento do último cliente que já se encontrava dentro do estabelecimento.

9750_721665987944172_7984398953695909110_nPara quem pensa que é só isso, está enganado. “A pior parte são as cobranças indevidas, os aumentos abusivos nas contas de luz, o descaso no tratamento por parte dos funcionários, que tratam as pessoas com uma tremenda ironia”, reclamou um cliente. Um consumidor que não quis ter seu nome divulgado, que também estava esperando a boa vontade dos funcionários retomarem o atendimento, não aguentou e foi até o Procon do município, buscar seus direitos, o referido consumidor estava assustado com o aumento em sua fatura nos meses de janeiro, março e abril, suas faturas não atingiram R$ 200 (duzentos reais), das três, a mais alta chegou a R$ 190,88 (cento e noventa reais e oitenta e oito centavos), o que para o consumidor já era alto, mas o susto maior foi quando viu suas duas últimas faturas, maio ultrapassou os R$ 400,00 (quatrocentos reais), junho veio mais alto ainda, ultrapassou os R$ 550,00 (quinhentos e cinquenta reais).

Fotos:

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo