Centros de Educação oferecem serviços diferenciados para aceleração de escolaridade

Sônia dos Santos

Dados divulgados recentemente pelo Instituto Nacional de Educação e Pesquisas Educacionais “Anísio Teixeira” (Inep), apontam um aumento de 7,08%, em relação a 2017, no número de candidatos que farão o Exame Nacional de Ensino para Certificação de Competência de Jovens e Adultos (Encceja Nacional). Dos 1.695.607 candidatos inscritos até abril de 2018, 326 desejam obter o certificado de conclusão do ensino fundamental e 1.339.281 do ensino médio. As provas, que serão realizadas no dia 5 de agosto, em todo o Brasil, garantem a certificação dos ensinos fundamental e médio para quem não concluiu os estudos na idade certa.

Segundo a coordenadora de Educação de Jovens e Adultos da Secretaria de Estado de Educação (Ceja/Seduc), Núlcia Azevedo, como o Inep ainda não disponibilizou os números por municípios, não é possível fazer uma avaliação completa dos candidatos paraenses. “Como a aplicação do exame começou a partir de 2017, a Seduc ainda não dispõe de um projeto voltado especificamente para o Encceja, mas já está se organizando para desenvolver um projeto de apoio pedagógico aos candidatos que vão fazer as provas”, explicou.

Para quem não conseguiu se inscrever no Encceja Nacional 2018, a Seduc orienta procurar os Centros de Educação de Jovens e Adultos (Ceejas) localizados em Abaetetuba, Belém, Marabá, Santarém e Xinguara, para realizar o Exame Estadual Permanente. Além da certificação de conclusão dos ensinos médio e fundamental, os centros também aproveitam as notas do Enem (Exame Nacional de Ensino Médio) até 2016 e notas de todos os anos do Encceja.

“O candidato que passou em duas áreas de conhecimento no Encceja e ficou devendo duas áreas também pode procurar os centros de EJA e fazer pela banca permanente as duas áreas em que ele não conseguiu aprovação. Caso ele consiga a nota de aprovação, terá sua certificação emitida”, exemplificou Núlcia.

Conforme prevê a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, e a Resolução nº. 001, de 5 de janeiro de 2010, do Conselho Estadual de Educação do Pará (CEE), a idade mínima para matrícula em cursos ou emissão de certificados de conclusão na modalidade de Educação de Jovens e Adultos é de 15 anos para o ensino fundamental e de 18 anos para o ensino médio.

Mercado de trabalho:

É cada vez maior o número de jovens e adultos que não concluíram os estudos na idade certa e agora procuram uma forma de acelerar o ensino, garantindo as certificações que são importantes na hora da apresentação dos documentos exigidos na seleção para uma vaga de trabalho. É o caso da moradora de Vila dos Cabanos, em Barcarena, Sônia dos Santos, de 45 anos, que procurou o Centro, em Belém, localizado na Escola Professor Luiz Otávio Pereira, no bairro de São Brás, para realizar a prova do Exame Estadual Permanente. “Perdi uma grande oportunidade de trabalho porque não tinha o ensino médio”, disse, ao justificar que concluiu os estudos há muitos anos em uma escola particular, mas preferiu buscar o atendimento em Belém para regularizar a sua situação.

Segundo dados do Ceeja Belém, somente em 2017, compareceram para fazer o Exame Estadual Permanente 5.076 candidatos ao certificado de ensino médio e 1.631 candidatos ao certificado de ensino fundamental. Em Belém, o Exame Estadual Permanente é realizado toda quarta-feira, nos turnos da manhã e tarde, das 9h às 12h e das 14 às 17h, com provas para todas as disciplinas da Base Nacional Curricular Comum e para alunos matriculados no ensino regular, com disciplinas em dependência nos ensinos fundamental e médio.

Para fazer a inscrição, candidatos de Belém, Breves, Bragança, Capanema, Castanhal, Igarapé-Açu, Marituba, Salinópolis, Santa Izabel do Pará, São Miguel do Guamá e Tomé-Açu devem procurar o Ceeja/Belém, localizado na escola Prof. Luis Otávio Pereira, na Avenida Gentil Bittencourt, atrás do Colégio Augusto Meira. As inscrições ocorrem toda segunda, terça e quinta, das 8h às 12h e das 14h às 18h.

“É obrigatório trazer o histórico escolar da rede pública ou particular para sabermos quais disciplinas o candidato precisa concluir. Caso o candidato tenha perdido todos os documentos, pode fazer a inscrição com a carteira de identidade. O candidato recebe todas as informações no verso do cartão de inscrição”, explicou Lúcia Emília Mendonça Tomaz, coordenadora pedagógica do Ceeja Belém.

Orientação:

O candidato que for se preparar para a prova também pode entrar no site da Seduc, baixar o conteúdo programático do Exame Estadual Permanente e buscar o material disponibilizado pela escola onde estudou, acessando o endereço: http://www.seduc.pa.gov.br/site/seduc/modal?ptg=3986. E para quem vai fazer o Encceja 2018, a opção é refazer as provas anteriores, mapeando os assuntos que geralmente caem e verificando qual disciplina precisa ser mais estudada. Outras informações podem ser obtidas na página do participante: http://enccejanacional.inep.gov.br/encceja/

Morador da Ilha Cotijuba, Ivanilson Ferreira, de 25 anos

Candidato à certificação do ensino fundamental, o morador da Ilha de Cotijuba, Ivanilson Ferreira, de 25 anos, resolveu procurar o Ceeja/Belém porque desejava mudar de profissão e, para isso, tomou a decisão de retomar os estudos, parados há oito anos. Agora, tem a meta de passar no Encceja Nacional 2018 para obter a certificação do ensino médio. Além disso, ele já está inscrito no Enem.

“Estudei pouco, parei na 6ª série porque comecei a trabalhar. No início, trabalhava e estudava, mas depois larguei o estudo de vez e agora estou retomando. Tem duas áreas que já estou visualizando, Engenharia Mecânica e Psicologia”, disse o candidato, que aproveitou para estudar nas folgas do emprego de motorista da escola estadual Marta da Conceição. “Pedi autorização para assistir as aulas à noite, na primeira etapa da EJA na escola. Na folga que tenho começo a estudar”, concluiu.

Paulo Henrique

O candidato Paulo Henrique, 23 anos, fez a prova do Encceja em 2017, mas ficou sem o certificado de conclusão do ensino médio por um ponto, na disciplina de Matemática. Como necessitava comprovar a certificação dos estudos no curso técnico de Enfermagem que está fazendo na cidade em que mora, em São Miguel do Guamá, pediu apoio à namorada, que mora em Belém, para inscrevê-lo no Exame Estadual Permanente. “Ela se informou para mim e ainda bem que falaram para vir aqui”, concluiu.

Os centros de Educação de Jovens e Adultos da Seduc também atendem casos específicos em que os candidatos não podem comparecer ao local por motivos de doença, acidentes ou que necessitam de urgência na emissão do certificado por conta dos prazos curtos nas matrículas nas faculdades.

Ensino Personalizado:

Para quem parou de estudar há muito tempo e deseja retomar os estudos, mas também não tem condições de frequentar uma escola de ensino regular, a Seduc oferta o ano todo o Ensino Personalizado, uma metodologia de ensino semipresencial aplicada nos centros de EJA, onde o aluno estuda por módulos de ensino, que são elaborados pelos professores dos centros. O aluno só precisa organizar seus estudos e se dirigir ao centro duas vezes por semana para receber orientação dos módulos de estudo e realizar as provas.

Para o Ensino Personalizado, há uma equipe disponível, todos os dias, das 7h30 às 22h30. “Quanto mais vezes frequentar o centro, mais rápido termina. Também não existe o calendário de provas. À medida que vai tirando as dúvidas com o professor, o aluno decide o momento em que está preparado para fazer a avaliação. Se não conseguir atingir a nota, tem mais duas oportunidades”, explicou Izabel Conceição dos Santos, coordenadora pedagógica.

Na rede regular de ensino, há escolas que ofertam EJA por etapas e por nível de ensino em todos os bairros, nos turnos manhã, tarde e noite. O período de matrícula da EJA acompanha o calendário de matrícula da Seduc.

Centros de Educação de Jovens e Adultos no Pará:

Abaetetuba: Centro de Educação de Jovens e Adultos “Profª Maria Oscarina Silva Pereira”, localizado na Rua Jairlândia, 754 – Bairro Algodoal – CEP: 68440-000, como Unidade Certificadora do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja) dos municípios de Abaetetuba e Cametá.

Marabá: Centro de Educação de Jovens e Adultos “Profª. Tereza Donato de Araújo” – localizado na Rodovia Transamazônica (Agrópolis do Incra – Amapá) – CEP: 68508-330 – Marabá, como unidade certificadora do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos – Encceja, dos municípios de Abel Figueiredo, Goianésia do Pará, Marabá, Novo Repartimento, Parauapebas, Piçarra e Tucuruí.

Santarém: Centro de Educação de Jovens e Adultos – localizado na Avenida Brasília, s/n, Bairro do Santíssimo – CEP: 68010-630, Santarém, como unidade certificadora do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos – Encceja, dos municípios de Altamira, Itaituba, Monte Alegre, Óbidos, Oriximiná, Prainha e Santarém.

Xinguara: Centro de Educação de Jovens e Adultos “Profª Violeta Refkalefsky Loureiro”, localizado na Rua Brasil, 885 – Bairro Centro – CEP: 68555-000, Xinguara, como unidade certificadora do Exame Nacional do Ensino Médio – Enem dos municípios de Conceição do Araguaia, Redenção e Xinguara.

Agência Pará/Texto: Julie Rocha

SEM COMENTÁRIO