DESCASO: Salas de aula em Xinguara tem número de alunos além do permitido

Professores são sacrificados e a qualidade do ensino comprometida

Da redação

O que deveria ser um problema do século passado, ainda é visto nas escolas da rede publica de ensino em Xinguara, sudeste do Pará. São salas de aulas com média de 40 alunos por turma, considerado por quem convive com essa triste realidade, como um descaso do poder público. Com tamanho problema que compromete o trabalho do professor, significa dizer que a qualidade do ensino, fatalmente, tende a ser sacrificada por conta da falta de condições necessárias que venham assegurar a plena formação dos alunos.

Pelo percurso que se tem a frente da secretaria municipal de Educação, Vilmones Silva não parece estar em condições de ser gestor da pasta, demonstrando não ser capaz de resolver esses problemas ao longo de quase sete anos a frente da Semed. Suas ações ainda não são convincentes para a população, contudo, tem se mantido no cargo graças à participação do seu partido na campanha que elegeu e posteriormente reelegeu o prefeito Osvaldinho.

As atenções de Vilmones atualmente têm sido mais em aparecer como pré-candidato, do que em dialogar com o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Publica do Pará – Sintepp, ignorando as reivindicações da entidade que tem tentado contribuir para melhoria da qualidade da educação no município.

___________ MATÉRIA CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ___________  De acordo com informações obtidas junto a coordenação do Sintepp, a quantidade de alunos por sala de aula já é garantido no Regimento Unificado das Escolas da rede pública municipal de educação, onde define o limite de alunos em sala de aula e tem sido uma das pautas de luta que, recorrentemente, vem sendo encampada pelos trabalhadores em educação do município.

DESCONSIDERAÇÃO

O secretário municipal de Educação, Vilmones Silva, não tem levado em consideração os acordos firmados em reunião com o Sindicato e, com isso, ignorado as reivindicações da categoria, em relação às propostas que lhe foram apresentadas por várias vezes, é o que relata a coordenação da entidade.

Além das salas de aula, com número excessivo de aluno, considerado uma situação desumana e um descaso com a educação, o secretário tem ignorado ainda, a negociação da hora atividade, direito dos educadores.

Sem ter uma proposta convincente, Vilmones já não sabe mais como resolver os problemas criados por ele mesmo, quando deixou de garantir a reposição salarial dos secretários escolares, que vem sendo massacrados por sua gestão, ao desconsiderar o direito desses servidores.

MANIFESTAÇÃO DO SINTEPP

Para debater o problema e deliberar sobre qual encaminhamento tomar, o Sintepp marcou para esta sexta-feira, 29, uma assembleia geral extraordinária com a categoria, onde algumas das pautas são: a perda salarial dos secretários escolares e a hora atividade, que não vem sendo paga como manda a lei.

SEM COMENTÁRIO