Educação

Duas paraenses alcançam nota máxima na redação do Enem 2020

Com o tema “O estigma associado às doenças mentais na sociedade brasileira”, Isabella Gadelha recorreu à psiquiatra carioca Nise da Silveira; e Sofia Vale à literatura sobre doenças mentais para alcançarem a nota 1000.

Duas paraenses, de Belém e Castanhal, estão entre os 28 estudantes do Brasil que tiraram a nota máxima na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) 2020. As jovens Isabella Gadelha e Sofia Vale, de 18 e 19 anos, produziram um texto dissertativo-argumentativo com o tema da 1ª aplicação do Enem impresso, “O estigma associado às doenças mentais na sociedade brasileira”.

Segundo o balanço do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), mais de 2,7 milhões de candidatos compareceram à prova do Enem, que foi realizada em três versões: impressa 1ª aplicação, reaplicação da prova impressa e PPL e a prova digital. Do total de candidatos que prestaram o exame, 87.567 (3,22%) tiraram zero na dissertação.

Para a estudante Isabella Gadelha, o tema da redação foi uma surpresa muito positiva. “Quando eu abri a prova e dei de cara com aquele tema, eu fiquei muito surpresa e feliz, mas ao mesmo tempo muito preocupada porque é um assunto bem amplo que eu gosto muito de ler e pesquisar sobre, e por isso tinha várias ideias. Então tive que decidir qual escolher e escrever sobre”, disse.

Isabella Gadelha, 18 anos, nota 1000 na redação do Enem 2020 — Foto: Arquivo pessoal/Isabella Gadelha

A estudante, que mora em Castanhal e sonha em cursar Psicologia na Universidade Federal do Pará (UFPA), citou a psiquiatra carioca Nise da Silveira, que teve um papel fundamental na revolução do tratamento mental no Brasil e é uma das inspirações de Isabella. Na redação, a estudante relacionou ainda a temática ao suicídio do pintor holandês Van Gogh e a série de televisão estadunidense Euphoria.

Sofia Vale, que pretende cursar o curso de Medicina, comenta que o tema da redação do Enem deste ano encaixou perfeitamente no estudo que vinha fazendo e na literatura que leu no período de estudo.

“Fiquei feliz quando vi o tema, porque já tinha produzido mais de um tema relacionada a doenças mentais. E fiquei aliviada quando lembrei de um livro que tinha lido que se encaixava perfeitamente nesse recorte, o ‘Papel de Parede Amarelo'”, comemorou.

Em 2019, Isabella passou no curso de Enfermagem na Universidade Estadual do Pará (Uepa) e em 2020 ingressou na graduação. No entanto, no meio do ano de 2020, a estudante decidiu retomar os estudos preparatórios para a prova do Enem para tentar ingressar na UFPA.

“Eu voltei para o cursinho e tinha em mente que tinha que priorizar matemática e redação. Eu tentava fazer uma redação por semana, sempre prestando muita atenção no tempo, porque o tempo da prova é muito apertado e não poderia deixar passar nada”, contou.

A nota máxima da estudante foi resultado de meses de estudo em meio a um cenário caótico gerado pela pandemia da Covid-19. A mudança na dinâmica de estudos, com aulas online e as incertezas foram um fator que impactaram na vida da estudante.

“Foi complicado conseguir acompanhar tanta mudança porque é um ritmo que a gente não está acostumado, foi muito difícil focar e nem tínhamos certeza se ia ter ou não a prova do Enem, por conta de tudo que estamos passando”, disse Isabella.

Sofia Vale, 19 anos, candidata nota 1000 na redação do Enem 2020 — Foto: Arquivo pessoal/Sofia Vale

Para Sofia, a vida lhe proporcionou a condição de ter uma preparação mais tranquila e não ter tido a família tão afetada pela Covid-19, apesar de o pai trabalho na linha de frente no combate ao novo coronavírus.

“Eu me considero uma pessoa de muita sorte porque minha realidade foi diferente de muitos estudantes brasileiros nesse 2020. Graças a Deus não tive perdas na família para a Covid-19 e tive a oportunidade de seguir meus estudos normalmente. Eu ficava, e ainda fico, triste com a situação do Brasil, vendo pessoas sofrerem por conta do vírus e de dificuldades financeiras, e isso fez com que eu tivesse ainda mais vontade de ser médica e contribuir com o meu país”, contou.

Sobre a euforia de ter alcançado a nota total na redação, Isabella disse que só conseguiu ver a nota um dia depois da divulgação, devido instabilidades na página do participante do Inep. “Quando eu vi, não acreditei, chamei meu irmão para conferir se era aquilo mesmo que eu estava vendo. Eu contei pra minha família e amigos e todo mundo ficou muito feliz”.

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo