Notícias

Emater capacita técnicos e equipa escritórios na região do Xingu

Trinta técnicos da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater-Pará), da região do Xingu, a maioria do Regional Altamira, participam até esta quarta-feira, 30, de uma capacitação técnica que trata de temas como Cadastro Ambiental Rural (CAR), Licenciamento Ambiental Rural (LAR) e Projeto de Recomposição de Áreas Degradadas e Alteradas (Prada).

O objetivo é promover a adesão dos municípios da Transamazônica ao Programa de Regularização Ambiental (PRA), com meta de regularizar 348 unidades em 24 meses. A equipe da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas) disponibilizou dois servidores para ministrar as palestras e está acompanhada de técnicos do Núcleo de Geotecnologia, Diagnóstico e Rastreabilidade do escritório central da Emater.

O evento é parte da execução do projeto 271/2017 do Plano de Desenvolvimento Regional Sustentável do Xingu (PDRSXingu), orçado em R$ 640.812,06, do qual a Emater foi a proponente e é a executora. O projeto contempla os municípios de Altamira, Anapu, Brasil Novo, Medicilândia, Porto de Moz, Pacajá, Senador José Porfírio, Uruará e Vitória do Xingu.

O supervisor regional de Altamira e atual coordenador geral adjunto do comitê gestor do PDRSXingu, engenheiro agrônomo Almir de Vasconcelos Uchôa, destaca que o projeto beneficiará não só a Emater, mas também os produtores familiares, com a regularização ambiental de suas propriedades, o que contribuirá para acesso ao crédito rural e licenciamento ambiental de suas atividades.

Ele informa que os técnicos serão capacitados na elaboração do Prada e receberam equipamentos de informática, drones, veículos, combustível, internet, recursos para manutenção de veículos, equipamentos de informática, material de expediente, antivírus, impressoras, entre outros. “Os técnicos do Regional Altamira já elaboram mais de 18 mil CAR’s e agora iniciarão uma nova etapa no processo de regularização ambiental na região da Transamazônica e Xingu”, completa.

Texto: Edna Moura/Agência Pará

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo