Emater implanta unidades gestoras em Marabá e Conceição do Araguaia

“Nós estamos descentralizando procedimentos administrativos e garantindo autonomia orçamentária e financeira para as regionais de Marabá e Conceição do Araguaia ao torná-las unidades gestoras”.  A finalidade é agilizar os procedimentos tanto administrativos quanto técnicos”. A fala é do presidente da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará, Daniel Lopes, nesta sexta-feira (24), em reunião realizada com os supervisores regionais e coordedores locais da EMATER, em Marabá.

Para o supervisor regional de Marabá, Francisco Ferreira, que coordena 21 municípios da região sudeste, a notícia representa um enorme passo para a melhoria do atendimento.

“Vamos poder planejar nosso orçamento, fazer as compras de equipamento dentro do nosso escritório regional. A unidade gestora significa a nossa emancipação financeira do escritório central, o nosso papel será de prestar contas do recurso público à nossa central”, pontuou.

O escritório regional de Conceição do Araguaia, que atende 15 municípios da região sul do Pará e 12 mil famílias ao ano, vai precisar ser reorganizado para a implantação da unidade gestora, ressaltou o supervisor Leandro Santos.

“O escritório regional receberá os recursos e a gente vai distribuí-los de acordo com as nossas necessidades, vamos comprar o que precisamos e isso vai melhorar a resposta para o campo, garantindo agilidade ao serviço. O escritório vai montar uma estrutura para poder trabalhar com essa unidade gestora, terá que ter contadores, controlador interno e técnicos especializados, vamos abraçar esse desafio para fazer da forma correta”, garantiu.

O presidente da EMATER, Daniel Lopes também anunciou que, nesses dois meses da nova gestão, a empresa adquiriu 60 novos veículos e afirmou que os carros dos escritórios locais que necessitam de reparos serão reformados. Ele também solicitou na reunião que sejam priorizados projetos com maior enfoque na sustentabilidade, beneficiando principalmente o pequeno produtor rural. Ele destacou que a vinda a região é para possibilitar maior aproximação entre coordenadores e o escritório central.

“Uma das diretrizes da nossa administração é fazer aproximação do nosso pessoal técnico que reside aqui do homem do campo. Precisamos estreitar a nossa distância da diretoria, do escritório central. Acreditamos que com isso vai facilitar a aproximação também cada vez maior entre eles e o homem do campo, prestando serviço de assistência técnica e de extensão rural mais eficiente”, declarou Daniel Lopes.

Ascom CRG Sudeste do Pará 

SEM COMENTÁRIO