Notícias

Empresário perde controle de veículo, cai em lago e morre afogado no Pará

Ainda repercute em Parauapebas no sul do Pará, a morte do empresário José de Ribamar da Silva, conhecido popularmente como “Maranhão Chaves”, de 57 anos, que perdeu o controle da caminhonete que dirigia, uma Triton branca, Maranhão Chaves caiu dentro de um lago e morreu afogado na cabine do veículo.

Segundo testemunhas, o acidente aconteceu por volta das 3 horas da madrugada de segunda-feira (16), no balneário conhecido como “Zé da Praça”, na Vila Palmares II, após o empresário sair de uma casa noturna que fica na localidade. O corpo da vítima foi resgatado de dentro do veículo pelo Corpo de Bombeiros no início da manhã.

De acordo com uma testemunha que pediu para não ser identificada, na tarde de domingo (15) o empresário chegou ao torneio de sinuca que acontecia na vila, acompanhado de um rapaz que dirigia a caminhonete. Ele estaria com um litro de uísque nas mãos e não demorou no local.

Conforme a testemunha, à noite o empresário e o condutor da caminhonete foram vistos novamente juntos numa casa noturna da vila. “Pela manhã, fiquei sabendo do acidente e, pela marca da caminhonete, logo pensei que era o empresário. Fui até o lago, porque imaginei que meu amigo também tinha sido vítima, mas depois ele chegou e me contou que, há certa hora, ‘Maranhão Chaves’ decidiu ir embora e pediu as chaves da caminhonete. Ele ainda relutou em dar, mas o dono insistiu, pegou as chaves e foi embora”, conta a testemunha.

À reportagem, o sargento Ronaldo, do Corpo de Bombeiros, informou que a corporação foi acionada por volta de 7 horas da manhã. “Informaram que tinha acontecido um acidente e que havia vítimas presas nas ferragens, e ao chegar aqui nos deparamos com o carro dentro do lago completamente submerso. Iniciamos a operação para retirada do veiculo e constatamos, após varredura feita dentro do lago, que havia apenas uma vítima presa na cabine da caminhonete”, detalha o sargento.

De acordo com o sargento, se houver outra vítima, que eles não tenham conseguido localizar na varredura que fizeram, o corpo deverá emergir no mesmo local, porque o lago não escoa para outros pontos.

O bombeiro militar acredita que o empresário tenha morrido por asfixia mecânica, ou seja, afogamento, mas a causa da morte só será confirmada oficialmente com a emissão do laudo do Instituto Médico Legal (IML), para onde o corpo foi removido.

(Vela Preta/Waldyr Silva)

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo