Política

Inauguração de terminal vira palanque do PSDB

O governador Simão Jatene entregou nesta sexta-feira, o agora reformado galpão 9 da Companhia das Docas do Pará, que custou a fortuna de R$ 19 milhões, onde passa a funcionar a partir de hoje o novo Terminal Hidroviário do Pará “Luiz Rebelo Neto” – ao lado do terminal antigo, que deverá ser desativado e devolvido à CDP.

Orgulhoso de seu primeiro grande feito desde o início de seu segundo mandato, em 2011 – a Santa Casa de Misericórdia lhe foi entregue pela ex-governadora Ana Júlia Carepa pronto até a sexta laje, a ampliação do Hospital Ofir Loyola segue a passos lentos e o milionário Amazonário, no Parque Ambiental do Utinga, encabeçado pelo secretário de Cultura, Paulo Chaves, ninguém nem sabe a quantas anda -, o tucano abriu a “casa” e chamou todo mundo para ver a novidade: além de seu vice-governador, Helenilson Pontes (PSD), do prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho (PSDB), do prefeito de Ananindeua, Manoel Pioneiro (PSDB), e do senador Flexa Ribeiro (PSDB), não é exagero dizer que mais da metade do seu secretariado esteve presente, bem como boa parte da bancada tucana e aliada da Assembleia Legislativa e da Câmara Municipal, além de presenças ilustres, como a do arcebispo emérito da Arquidiocese de Belém, Dom Vicente Zico, e outras curiosas, como o conhecido delegado “linha dura”, Éder Mauro, e vejam só, até mesmo o ex-assessor de gabinete da Casa Civil, Raimundo Abdon, flagrado na semana passada pelo Tribunal Regional Eleitoral distribuindo revistinhas de enredo calunioso contra os partidos de oposição, em especial, PT e PMDB, e com o qual Jatene afirmou não ter qualquer relação profissional ou política.

Seria bom que o governo explicasse como conseguiu gastar R$ 19 milhões do dinheiro público para pintar as paredes, trocar o piso e colocar algumas vidraças móveis e ar condicionado num galpão doado pela CDP, ou seja, sem gastar com terreno, fundação, estrutura, telhado, etc…

Marcada para às 16h, a inauguração, com direito à benção de Dom Zico e Jatene com capacete desses usados em obra na cabeça, só ocorreu depois das 17h30, por conta do atraso do governador, que chegou acompanhado dos deputados Márcio Miranda (DEM), presidente da AL, e do líder da bancada do PSDB no parlamento, José Megale.

Enquanto ele não aparecia, uma pequena banda animava o ambiente a espera do chefe de Estado com um repertório regional – dentre uma música e outra, o guitarrista “brincou” com o solo de Que País É Esse?, da sempre crítica Legião Urbana, mas a brincadeira durou segundos, como se rapidamente se tocasse de que talvez aquela não fosse a melhor escolha para a ocasião.

PADRÕES

À medida que as autoridades iam chegando, o clima era de festa da boa vizinhança, com prefeitos, deputados e vereadores conversando com os curiosos que por ali estavam, interessados em conhecer a nova estrutura, bastante semelhante, inclusive, ao complexo próximo, à Estação das Docas (até Márcio Miranda fez esse comentário em seu discurso, posteriormente), ou seja, bem dentro dos padrões das obras do PSDB – só essa custou R$ 19 milhões, contra os R$ 7,5 milhões investidos pela gestão petista no abandonado Terminal Hidroviário da Rodovia Arthur Bernardes, sobre o qual o governo do Estado nunca deu explicação lá muito convincente por nunca tê-lo aberto à população, parte mais interessada e beneficiada da história quando o assunto é serviço público. (Fonte: DOL).

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo