Polícia

O major da PM/PA comandante do Batalhão de Anapú, sofreu um atentado a bala

Fogo amigo em Anapú no sudoeste do Pará, major da PM, comandante do Batalhão de Anapú, foi vítima de atentado a bala no início da madrugada desta terça-feira, 31 de maio.

De acordo com o que foi apurado pelo portal “O Antagônico”, o major da Polícia Militar do Pará, Giovane Henrique Sales da Silva, comandante do Batalhão de Anapú, no sudoeste do estado, dormia no quarto de seu apartamento, situado na rua Pernambuco, bairro Liberdade, quando acordou com o barulho de disparos de armas de fogo. Ao levantar da cama, o oficial viu que a porta da frente de seu apartamento, que era de vidro, foi destruída pelos disparos.

Em ato continuou, o major registrou um Boletim de Ocorrência, ainda na madrugada, na Delegacia da Polícia Civil de Anapú. Diante dos fatos o delegado Lindoval Borges, iniciou imediatamente as investigações.

E foi seguindo a tese que o criminoso sempre retorna ao local do crime que a Polícia Civil prendeu, nas primeiras horas da manhã dessa quarta-feira 01, o soldado da PM Jandislânio Marinheiro, que estava rondando o local em um carro de passeio, juntamente com outro homem, que dirigia o carro.

Com o soldado foi apreendido um revólver calibre 38, porém no apartamento do agente, os policiais civis encontraram um fuzil calibre 12 e cápsulas de pistola .40, compatíveis com as que atingiram a porta do apartamento do major Giovane Silva.

Em seu depoimento, “Marinheiro”, como é conhecido o soldado, negou ter sido o autor dos disparos, afirmando que veio de Belém recentemente para participar de um curso de tiro em Anapú. No entanto, o homem que dirigia o carro contou uma versão diferente, declarando que “Marinheiro” estava hospedado no apartamento do tenente Eliaquim, que foi transferido recentemente de Anapú. O Apartamento é vizinho ao do major Giovane Silva.

Para a polícia, o homem contou que foi ele quem entregou as chaves do apartamento ao soldado “Marinheiro”, a pedido do tenente Henrique. Após o depoimento o homem foi liberado. No entanto, o soldado “Marinheiro” continua preso e segue sendo investigado.

O delegado Lindoval Borges, que preside o inquérito, disse que não ia se manifestar sobre o caso antes da conclusão das investigações.

As últimas informações repassadas ao Portão O Antagônico, dão conta de que o tenente Eliaquim estaria contrariado com a atuação do major Giovane Henrique, em Anapú e teria responsabilizado o mesmo pela sua transferência para outro município. O Comando da Polícia Militar não emitiu nota sobre o assunto.

Fonte: Portal O Antagônico

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo