Peça sobre guerrilheiras do Araguaia será exibida no Rio de Janeiro

0-0-01-a-a-a-guerrilheirasContar a história de 12 guerrilheiras que lutaram e morreram na Guerrilha do Araguaia, por meio de uma peça de teatro. Este é o desafio da atriz Gabriela Carneiro da Cunha. A peça será apresentada no Rio de Janeiro, em julho do ano que vem e deve ficar pelo menos um mês em cartaz. Depois a ideia é trazer o espetáculo para Marabá.

A atriz esteve nesta região no final de semana, acompanhada da produtora Gabriela Gonçalves, para conhecer um pouco mais do palco onde se passou a guerrilha. Quem deu apoio à atriz e à produtora nessa viagem à região foi o ativista Paulo Fonteles Filho, do PCdoB, que detém conhecimento de causa, quando o assunto é Guerrilha do Araguaia.

Passando por Marabá, a atriz visitou o Galpão de Artes de Marabá (GAM), onde conversou com nossa reportagem, para falar um pouco mais sobre o ousado projeto.

Gabriela Cunha explicou que este momento é uma fase de pesquisa e de pré-produção, onde ela e Gabriela Gonçalves estão conhecendo os lugares e ouvindo pessoas da região que tiveram alguma relação com a guerrilha. Depois, em março do ano que vem, ela volta para a região com a equipe toda, para começar os ensaios da peça.

Fato interessante é que a equipe deve fazer o trajeto de ônibus (a maioria vem de São Paulo e do Rio de Janeiro), numa tentativa de refazer um possível trajeto feito pelas guerrilheiras há 40 anos, para se aproximar um pouco do que foi o deslocamento daquelas mulheres. Perguntada sobre que motivos a levaram a trabalhar o tema “Guerrilheiras”, Gabriela Cunha disse que estudando sobre a ditadura militar, especificamente sobre os desaparecidos políticos, chegou à Guerrilha do Araguaia (assunto pouco difundido no currículo escolar nacional) e foi aí que ela encontrou o recorte que procurava.

Sobre Gabriela Cunha

Atriz de teatro, Gabriela é proprietária da Companhia Pangeia, mas também já fez novelas na Rede Globo, como “Passione”, “Morde e Assopra” e “Em Família”, além da série “Beleza S/A”, na GNT (canal fechado). (Fonte: MARABÁNOTÍCIAS.COM)

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA