Polícia

Perseguição da Polícia Rodoviária Estadual a veículo acaba em morte na PA 150

A vitima ainda com vida
A vitima ainda com vida

No final da tarde do último sábado (5), mais um acidente gravíssimo foi registrado na rodovia PA 150, na altura do quilômetro 10, após o município de Ipixuna do Pará rumo a Jacundá, onde ceifou a vida de Antônio Marco da Silva Rodrigues, 24 anos, morador de Tucuruí, que teria ido até Marabá buscar o veículo Fiat Strada Advent de cor vermelho, para seu primo, onde infelizmente ocorreu uma colisão com um micro ônibus interrompendo sua viagem e sua vida.
Segundo informações de um grupo de pessoas que também estavam em viagem naquela tarde, de Marabá para Goianésia do Pará, declararam, que por volta das 17 h do sábado (5), quando transitavam entre os municípios de Ipixuna do Pará para Goianésia, observaram um cidadão caminhando na estrada com um pneu de carro na cabeça, solidários a causa, resolveram dar uma carona ao homem, que por um percurso de quase 10 km, enquanto durou a viagem, explicou que o pneu traseiro do carro teria furado, e o step estava vazio, tendo que voltar a Ipixuna para o conserto, e após a troca seguiria viagem a Tucuruí, falou entusiasmadamente de sua vida e família, e que estava com muita saudade de sua filhinha e esposa, e que estava de folga de seu serviço, e foi prestar um favor a seu primo conduzindo o carro de Marabá para Tucuruí.
As pessoas que lhe deram carona ajudaram na troca do pneu, haja vista, o cansaço do motorista, pela quantidade de quilômetros que já havia carregando o pneu na cabeça.

A vitima já morta
A vitima já morta

Finalizada a troca, ambos seguiram viagem em seus carros, após cinco minutos na estrada os dois veículos se encontraram e viajaram próximos, logo a frente foi observada uma barreira improvisada da Polícia Rodoviária Estadual, em uma linha reta da PA 150, mas, a viatura estava recuada – escondida – atrás de uma árvore, segundo as testemunhas que estão com receio de serem identificadas, “os quatros militares estavam escondidos, e quando verificavam a aproximação de veículos seguiam para a estrada, era humanamente impossível, brecar um carro com uma velocidade de 120 km, quando solicitado por um militar que estava sem nenhuma visualidade pelos condutores dos carros”.

Em função a velocidade, o carro Strada de cor Vermelha, passou despercebido pela fiscalização da Polícia Estadual, foi quando, imediatamente os quatro polícias entraram na viatura e partiram em perseguição ao carro vermelho, por diversas vezes foi observado o veículo Strada passando em pontos críticos, quase saindo da rodovia, mas, devido ao relevo e a curva acentuada, perdeu-se os dois veículos de vista, após uns 5 minutos de terem auxiliado com a carona e a assistência a Antônio Marcos, as mesmas pessoas presenciaram uma concentração de carros parados na rodovia PA 150, e o que é pior, depararam-se com a viatura da Polícia Rodoviária Estadual, retornando de ré em alta velocidade, para não ser identificada ou supostamente acusada de autora da perseguição que culminou com a morte de Antônio Marcos, cerca de 300 metros antes do acidente desceu apenas um militar e o restante se “esconderam”, e só depois de 15 minutos apareceram no local do acidente.

É fato, que se não houvesse a perseguição ao condutor do Fiat Strada, não aconteceria este acidente fatal, a força da colisão com o micro ônibus que estava seguindo viagem para Marabá foi tão grande, que o motor do Fiat foi parar a 30 metros de distância do carro.

Mesmo com a gravidade do acidente, ainda populares tentaram tirar o homem que ainda estava com vida, mas, sendo proibidos pelos quatro militares que estavam evitando aproximação dos populares.

Quando os polícias resolveram prestar assistência e retirar a vítima Antônio Marco, o mesmo já estava sem vida, o grupo que acompanhou todos os fatos, no seu carro atrás do veículo Fiat, ficou observando os militares que de forma “sínica” e “arrogante”, disfarçavam o acidente como se nada houvesse ocorrido com os seus excessos, e imputando a responsabilidade a alta velocidade.

Os militares ficaram o tempo todo guardando o carro e o condutor já morto, os familiares denunciam que além do valor de R$ 300, 00 em dinheiro que sumiu dos pertences de Antônio Marco, foi levado um talonário de cheque da vítima e dois cheques assinados por seu primo para o caso de despesas em sua viagem, além de uma pulseira de ouro no valor estimado em R$ 3 mil.
Antônio Marco da Silva Rodrigues assumiria no próximo dia 14, a vaga de motorista do projeto Pro Paz, e era habilitado desde os seus 18 anos, após realizarmos a consulta na placa do veiculo HQD 1520, observamos que o carro estava com licenciamento atrasado, podendo ser este o receio de Antônio não ter parado na Blitz da PM, mas, o que fica claro é que situações como estas em uma estrada que é marcada com um grande número de assaltos, é impossível um condutor confiar em parar em locais não oficias para qualquer que seja a ação.

Os familiares moradores no bairro do Getat, em Tucuruí, sudeste paraense, apelam às autoridades para apurarem este fato, que culminou com a perda de um excelente filho, bom marido e grande pai, que deixa sua filha órfã.
Segundo o IML, a priori Antônio Marco da Silva Rodrigues, sofreu traumatismo craniano, em função as inúmeras capotagens do veículo.
Seu corpo foi sepultado na manhã desta segunda-feira no Cemitério Jardim da Saudade em Tucuruí. (Fonte: Luiz Pereira).

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo