NotíciasPolícia

Polícia prende suspeito de matar advogada em São Félix do Xingu

Na manhã desta segunda-feira (25), a Polícia Civil prendeu Kenny Müller Barbosa Neves, 18 anos, no município de São Félix do Xingu, região sudeste paraense. Ele é autor confesso do assassinato de Dilamar Martins Silva, advogada morta na fazenda Maringá, de sua propriedade, que fica a 60 quilômetros do município onde ele foi preso.

O jovem foi detido no exato momento em que se preparava para fugir da cidade em uma embarcação com destino a outra propriedade rural, onde, segundo ele, “ficaria escondido até baixar a poeira”. Apresentado na Delegacia do município, o acusado apresenta visíveis sinais de transtornos mentais. 

Segundo o delegado Pedro Andrade, titular da Superintendência do Alto Xingu, com base em relatos já colhidos, a vítima foi morta no dia 23 (quarta-feira) e o corpo queimado no dia seguinte. As primeiras informações obtidas no curso das investigações foram de que o crime teria sido resultado de um desentendimento entre o assassino e a vítima. Kenny trabalhava para a Dilamar prestando serviços gerais de limpeza e manutenção da fazenda. Na quinta-feira passada (24), um dia após o crime, ele foi embora da fazenda sem falar com ninguém. No domingo (24), o suspeito ainda foi visto no município.

O corpo da advogada foi encontrado na tarde de domingo

Em depoimento, Kenny  alegou que a fazendeira estaria tentando lhe envenenar e que não teria pago pelos serviços prestados na fazenda Maringá. Assim, resolveu premeditar o crime. Ele matou a vítima a golpes de enxada e facão pelo corpo. Em seguida, arrastou o corpo por cerca de 50 metros terreno adentro, onde o queimou usando pneus. Ainda, conforme o delegado Pedro Andrade, o acusado agiu sozinho e fugiu sem nada levar da casa da vítima. Após a autuação, ele permanecerá recolhido na delegacia do município à disposição da Justiça.

O corpo foi removido para o Centro de Perícias Científicas de Marabá para ser periciado. No local do crime, foi apreendido o objeto que teria sido usado no crime, uma enxada usada para capinar o terreno da fazenda. A ferramenta também será submetida a perícia.

A vítima

Dilamar possuía registro profissional pela Seção Goiás da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), mas atuava no município de São Félix do Xingu. Por nota, a OAB-GO informou que “está acompanhando as investigações do crime brutal cometido contra a vida da advogada”, em conjunto com a OAB-PA, e que ambas seccionais “já requereram à Secretaria de Segurança Pública do Pará providências para o caso”.

A OAB ainda afirma que “lamenta profundamente o fato, externa sinceros sentimentos à família e amigos da advogada e vê com preocupação os números crescentes de violência no país”.

(Com informações da Agência Pará e de Paulo Francis, de São Félix do Xingu)

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo