Polícia

Policiais civis entram em greve em todo o estado do Pará

Delegacias na capital paraense amanheceram fechadas nesta terça (26).
Ato público da categoria será realizado em Praça de Belém.

Policiais na delegacia de Benevides também aderiram à paralisação (Foto: Divulgação)
Policiais na delegacia de Benevides também aderiram à paralisação (Foto: Divulgação)

Os policiais civis do estado do Pará declararam paralisação geral da categoria a partir desta terça-feira (26), em todo o estado. Em Belém e em alguns municípios do interior do estado, como Santa Maria do Pará e Benevides, as delegacias amanheceram fechadas e com faixas de greve ao redor dos prédios.

Segundo o Sindicato dos Servidores Públicos da Polícia Civil do Pará (Sindpol), as principais reivindicações são a incorporação do abono ao vencimento base da categoria, a isonomia no pagamento da gratificação de nível superior, a regulamentação da carga horária e a melhoria das condições de trabalho na capital e no interior do estado.

Na última segunda-feira (25) a diretoria do Sindpol participou de uma reunião com o Ministério Público do Pará (MPE). No encontro, foi decidido que o órgão será responsável pela mediação nas negociações entre os policiais e o governo do Estado.

“Não queríamos que chegasse a esse desfecho. Mas, diante da situação insustentável, a categoria decidiu em assembleia geral pela deflagração da greve”, comentou o presidente do Sindpol, Rubens Teixeira. Um ato público da categoria está marcado para a manhã desta terça-feira (26), na praça do Operário, em São Brás, em Belém.

Melhor remuneração

(Foto: J.R. Avelar)
(Foto: J.R. Avelar)

Segundo o Governo do Pará, a remuneração dos policiais civis do estado é a quarta melhor do país. Em 2013, de acordo com a Secretaria Estadual de Administração (Sead), o Sindpol já participou de três reuniões de negociação com o governo, e tiveram um reajuste na remuneração equivalente a 18,7%, o que representa 3% acima da inflação do período, ou seja, aumento real de salários.

De acordo com a Sead, os policiais também receberam elevação no valor da gratificação de risco de vida de 50% para 70%; reajuste no valor do abono extraordinário, de R$ 54 para R$ 80; reajuste no valor dos plantões de doze horas, de R$ 120 para R$ 200 e de R$ 130 para R$ 300 (24 horas). O governo também concedeu reajuste de 7,69% no valor do auxílio-alimentação, que saltou de R$ 325 para R$ 350.

Delegacia em Santa Maria do Pará amanheceu fechada nesta terça-feira (26) (Foto: Divulgação)
Delegacia em Santa Maria do Pará amanheceu fechada nesta terça-feira (26) (Foto: Divulgação)

“Em consequência da política de remuneração adotada e a queda de receitas transferidas à União pelo Fundo de Participação dos Estados (FPE), a qual acumula perdas da ordem de R$ 500 milhões, o governo do Estado, em que se pese o reconhecimento e o respeito pela categoria de policiais civis, fica impossibilitado no momento de atender ao conjunto da pauta de reivindicações do Sindpol, pelo alto comprometimento de gastos que representa”, afirma.

Segundo a secretária Alice Viana, para o atendimento das reivindicações do sindicato seria necessária uma elevação significativa na receita do Estado. “O que de fato tem financiado essas políticas é a receita própria do Estado, a qual, mesmo com o elevado crescimento obtido nesses dois anos e onze meses, não é suficiente para manter todas as despesas”, conclui. (Fonte: G1/Pará).

 

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo