Esporte

Presidente do Bragantino se manifesta após paralisação do Parazão

Dirigente informou que clube tomou conhecimento da queixa crime e está respaldado com pedido de informação sobre histórico de atletas

Depois da manifestação do Tribunal de Justiça Desportiva, pela paralisação do Campeonato Paraense, acatando queixa crime do Paragominas, em desfavor do Bragantino, o presidente do Tubarão conversou com a reportagem de O LIBERAL para esclarecer os pontos apresentados na denúncia. Segundo Claudio Wagner, a medida adotada pelo TJD de fato corresponde à situação do atleta, no entanto, o próprio clube havia feito um pedido de informações sobre a situação de todos os atletas do elenco.

VEJA MAIS

https://www.oliberal.com/esportes/remo/paysandu-se-posiciona-sobre-suspensao-do-parazao-e-alega-preocupacao-com-o-futuro-do-torneio-1.507032

https://www.oliberal.com/esportes/remo/remo-lamenta-suspensao-do-campeonato-paraense-e-alerta-sobre-imcompatibilidade-de-calendario-1.507050

“Antes de começar a competição, no dia 14 de janeiro de 2022, enviamos um e-mail para a FPF, que reencaminhou ao TJD, fazendo uma consulta de todo elenco do Bragantino para saber se algum dos atletas estava com impedimento na justiça. O Águia também havia entrado com o pedido e conseguiu a resposta após a 3ª rodada. O Bragantino não recebeu resposta do oficio e os jogos se seguiram, pois não havia essa informação”, comenta.

Segundo ele, o Bragantino só tomou conhecimento da situação do atleta no dia 3 de março, entre a sétima e oitava rodada, e imediatamente retirou o atleta da relação de inscritos, mas já era tarde. “Quando eu fiquei sabendo da entrada, fui pessoalmente à FPF e solicitei a resposta ao oficio. Ai sim tomei conhecimento que havia uma punição”, esclarece.

Hatos foi penalizado durante sua passagem pelo Itupiranga, durante a semifinal do Parazão do ano passado, em partida contra a Tuna Luso Brasileira. Na ocasião, houve uma briga entre jogadores e Hatos acabou penalizado pela corte esportiva. Entretanto, de acordo com Cláudio, nem o atleta e nem o Itupiranga informaram que havia um impedimento. Assim, Hatos seguiu para o Cametá e Bragantino sem qualquer penalização cumprida.

“Se eu mando um documento oficial para um órgão, eu tenho que ser respondido. Quando entrarmos com a nossa defesa teremos os nossos argumentos, que são o pedido no sistema web da federação, onde não apareceu o Hatos, então o clube não tem como adivinhar”, garante. Além do Bragantino, outra queixa crime foi apresentada contra jogador Gustavo, do Águia de Marabá e deve ser manifestada nesta quarta-feira.

“Temos o direito a ampla defesa e vamos fazer. O Bragantino fica chateado. A torcida fica chateada. No entanto, temos plena certeza que a justiça vai entender nossos argumentos”, encerra. 

O Liberal

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo