Educação

Professores continuam em greve no município de Xinguara e mais de 85% dos alunos sendo prejudicados

Janesley de Siqueira Coordenador do SINTEPP e Maria Reis da Comissão de Negociação do SINTEPP
Janesley de Siqueira Coordenador do SINTEPP e Maria Reis da Comissão de Negociação do SINTEPP

A greve dos professores da rede municipal de ensino de Xinguara já dura oito dias e não tem data para encerrar. Os profissionais reivindicam um reajuste salarial de 10,4%, mais o governo municipal alega que não tem condições de dar tal reajuste, pois 90% do FUNDEB estão sendo investido na folha de pagamento da educação.

A professora Maria Reis que faz parte da comissão de negociação do SINTEPP Subseção Xinguara, falou com nossa reportagem e disse que as negociações entre a classe e governo não teve nem uma evolução. Com isso mais de 85% dos alunos da rede municipal continuam sem ir às escolas.

Maria Reis disse que na última quarta-feira 16 de abril, o SINTEPP através da acessória jurídica, na pessoa do Dr. Rivelino Zarpelon, promoveu um momento junto à promotoria, onde as duas partes foram ouvidas, mas nem uma resposta favorável foi obtida, não foi feito nem um tipo de acordo, o governo municipal insiste em dizer que não é possível dar o aumento de 10,4%, porque já está investindo 90% dos recursos do FUNDEB com a folha da educação.

Segundo a professora Maria Reis que representa os professores, já que está sendo investido esse valor, a classe quer apenas que o prefeito Osvaldinho Assunção prove com documentos que realmente não tem como dar o reajuste, pois até então isso foi dito apenas com palavras, até o momento o SINTEPP não teve acesso a nem um tipo de documento que prove isso que ele diz. Mas o prefeito disse que só vai fornecer a folha de pagamento da educação mediante ordem judicial.

Se ele provar para a classe que de fato a prefeitura está tendo dificuldade para custear as despesas com a educação, somos os primeiros a procurar uma maneira para ajudar, agora sem nem um documento, apenas palavras, fica difícil para confiar, nem tão pouco defender. O que precisamos, é de uma resposta, precisamos de documentos, enquanto isto não acontecer nos vamos estar aqui reivindicando nossos direitos, até que seja provado que de fato não tem condições, não só de dar o reajuste, mas também venha garantir o que já tínhamos, estou falando da perda salarial que é considerável, chega a um valor de R$ 1.040,00 (um mil e quarenta reais), ano, que para o educador é um valor significativo. Disse a professora Maria dos Reis da comissão de negociação do SINTEPP.

Para Maria Reis, o governo municipal está tendo um ato irresponsável, quando pedi para os pais mandar seus filhos as escolas, sabendo que os professores não estão trabalhando, contratar pessoas não habilitadas para ministrar as aulas, pegar tutores dos programas do governo federal, como o “MAIS EDUCAÇÃO”, para estar em sala de aula, ameaçar alguns professores por estarem em período de probatório. Esse tipo de atitude nos deixa bastante preocupado, quanto educador. Contra essas pessoas que mesmo não sendo habilitadas para dar aula o SINTEPP não tem nem uma nota de repudio e sim contra o governo municipal, que mesmo sabendo que elas não estão habilitadas a ministrar aulas, colocam em salas de aulas. Qualquer incidente que venha acontecer em uma sala de aula dessas, onde pessoas que não tem formação para tal função, a Secretaria de Educação vai ser responsabilizada sem duvida nem uma. Afirmou Maria Reis da comissão de negociação do SINTEPP.

O que o SINTEPP está querendo saber é para onde foi o dinheiro do salário educação, que é repassado pelo Governo Federal para os estados, que os estados repassam para os municípios. No ano de 2013, Xinguara recebeu R$ 655.599,94 (seiscentos cinquenta e cinco mil quinhentos e noventa e nove reais e noventa e quatro centavos). Cota-parte dos Estados e DF do Salário-Educação dinheiro esse que deveria ter sido depositado na conta do FUNDEB, mais foi repassado direto para o gabinete do prefeito. Afirmou Janesley de Siqueira coordenador geral do SINTEPP, Sindicado dos Trabalhadores em Educação Pública do Pará, Subseção Xinguara e regional.

Segundo o coordenador do SINTEPP, há outro dinheiro que deveria ser gasto com salários dos professores e não está sendo aplicado dessa forma. Trata-se do BB Repasse, que o município recebe todos os meses, como DISTRIBUIÇÃO DE ARRECADAÇÃO OU COMPLEMENTO DA UNIÃO, o valor do mês de janeiro de 2014, foi de R$ 674.187,71 (seiscentos setenta e quatro mil cento e oitenta e sete reais e setenta e um centavos). Já em fevereiro esse valor dobrou, foram R$ 1.432.140,66 (um milhão quatrocentos e trinta e dois mil cento e quarenta reais e sessenta e seis centavos), ou seja, a diferença em relação ao mês de janeiro deveria ser gasto com o salário dos professores, mas o secretario de educação Vilmones da Silva, não que dialogar sobre esse dinheiro. Disse Janesley de Siqueira Coordenador do SINTEPP.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo