Educação

SINTEPP de Xinguara desmente declarações registradas em boletim de ocorrência

DIREITO DE RESPOSTA

O coordenador do SINTEPP regional e Subseção Xinguara, Janesley de Siqueira, convocou uma coletiva de imprensa, nesse domingo 11 de maio, para desmentir as declarações registradas em um B.O, boletim de ocorrência, registrado pela senhora Thatiana de Oliveira Silva Júlio, representando um grupo de profissionais da educação, na delegacia de Polícia Civil de Xinguara no último dia 08 de maio de 2014.

Na coletiva Janesley desmentiu as declarações de Thatiana, dizendo o seguinte: Em momento algum ouve impedimento de quem quer que fosse inclusive tinha funcionários da saúde convocados para a Assembleia e foi aprovado o direito de voz e voto a todos os presentes, acontece que um grupo de diretores, vice-diretores e coordenadores de escolas se reuniram na Secretaria Municipal de Educação horas antes da Assembleia e de lá veio em bloco para o Sindicato, ainda intimidaram os profissionais do transporte escolar e outros funcionários, a participarem da Assembleia, como participaram com toda a prerrogativa sindical, então não ouve nem um impedimento desse pessoal, falar ou votar, o que causou muita estranheza para a classe, não foi só o fato de dizerem que não tiveram espaço na Assembleia, como também apresentarem falso testemunho, tanto na delegacia, quanto no Ministério Público, provocando uma falsa impressão, esperamos que isto seja apurado, por que falso testemunho é crime, esperamos que o Ministério Público, da mesma maneira que sem ouvir a nossa parte atuou, que ele possa agora verificar de fato qual é a verdade, a final de contas esse é o papel do Ministério Público apurar a verdade. Disse Janesley de Siqueira.

O coordenador do SINTEPP fez questão de deixar a ata da Assembleia à disposição da imprensa, como prova de que não ouve nada do que foi relatado no B.O, Janesley enquanto dava entrevista disse que em todos os fóruns do Sindicato, é dado direito de voz, voto e questão de ordem quando se tem duvidas do que está sendo colocado em votação, para ficar claro, a prefeitura até às 16 horas do dia 08, não tinha protocolado a proposta de reajuste de 4%, quando apresentarão a proposta já tinha passado do horário de expediente do Sindicato, a orientação que temos do departamento jurídico é de que não devemos receber nem um documento após o expediente. Isto já comprometeu a fala das pessoas que estavam representando o governo na Assembleia, por que diretores vice-diretores e algumas pessoas que nunca tinham aparecido nas Assembleias do SINTEPP, estavam presentes, a mando do Secretario de Educação.

Tem pessoas contratadas pelo município que está sendo pressionadas pelo secretario de educação, a registrar boletim de ocorrência contra o Sindicato, isto é perigoso, porque temos compromisso com a verdade, como coordenador do Sindicato sou pessoa de fé pública, assim como o secretario de educação, também é uma pessoa de fé pública, então não pode usar de artifícios mentirosos para iludir a população, estamos aqui para esclarecer os fatos verdadeiros. Palavras do coordenador do SINTPP.

Assembleia que estava marcada para as 13:30h, e começou exatamente 10 minutos depois do horário marcado, dentro do prazo, na aprovação de pauta foi perguntado por pelo menos cinco vezes se concordariam com a pauta apresentada, sendo aprovada por unanimidade, em seguida foi discutido o formato da Assembleia, que que foi aprovado com direito de cinco inscrições e que a partir dai que fosse fazendo os encaminhamentos nas falas de cada um com o mínimo de três minutos. A grande estranheza é que direção de escolas, coordenação pedagógica e outras pessoas que nem são da educação, saíram reclamando que não tiveram direito de voz e voto, tanto que a dona Thatiana que reclama tanto tem em ata duas inscrições dela, duas questões de ordem onde ela pegou fala de outras pessoas e se pronunciou. O professor Raimundo Rodrigues que reclama, também pegou fala, foi dado direito de falar em todos os pontos, acontece que essas pessoas não têm hábitos em vir ao Sindicato, por isso não conhecem os tramites normais, debates acontecem, essas pessoas vieram para fazer isso mesmo, vir aqui mentir e retornar para tentar ludibriar a comunidade que o Sindicato fica aterrorizando.

Nesse sentido não há o que questionar sobre participação, estávamos prontos para dar direito de voz e voto a todos, então não são verdade vários pontos colocados pela senhora Thatiana e pelos demais que procuraram a delegacia. Lamentamos a postura mentirosa de diretores, vice-diretores e de coordenadores que vieram a Assembleia, não com a intenção de participara e sim para tumultuar, eles veio com esse propósito, quem sabe até orientados para isto. Todos os outros professores que ficaram na Assembleia vão a delegacia registrar um B.O, contra a ação truculenta, contra as mentiras pregadas pelas direções de escolas e pela senhora Thatiana Oliveira. Vamos procurar o Ministério Público por que ele tem que ouvir a verdade, tem que se pronunciar a favor da verdade, vários pontos colocados por eles, ferem todos os principio da lei de greve e da constituição federal. Afirmou o coordenador do SINTEPP Janeley de Siqueira Barsanulfo

Entenda o caso:

No boletim de ocorrência em termo de comunicação, Thatiana de Oliveira, relatou que ela e alguns profissionais da educação se sentiram preteridos e prejudicados na Assembleia realizada pelo SINTEPP, no dia 08 de maio na sede do Sindicato. Segundo Thatiana em seu relato, eles foram impedidos de participar da Assembleia que trataria de assuntos relacionados à greve dos professores, tendo que deixar as dependências do Sindicato, diante de vaias e outros comportamentos agressivos, o que levou os profissionais comunicar o fato a autoridade policial.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar