NotíciasPolícia

Um tesouro em Joias avaliado em 1 milhão foi encontrado em cofre de servidor da Sefa

597c688d-4d05-4087-a94a-5dc35b3a9686Após abrir um cofre apreendido na residência do fiscal da Secretaria de Estado da Fazenda do Pará (Sefa), Luiz Gonzaga, de Conceição do Araguaia, que foi preso durante a “OPERAÇÃO QUINTA PARTE”, deflagrada no último dia 9, a polícia se deparou com uma fortuna em joias, além das joias, armas relógios e dinheiro em real e dólar também foi encontrado dentro do cofre do servidor público. Só as joias encontradas dentro do cofre foram avaliadas em um milhão de reais.

Após ano de investigações a Polícia Civil do para se mobilizou para desbaratar uma quadrilha que agia dentro da Sefa, 67 mandados de prisão foram expedidos para serem cumpridos em todo Estado do Pará, pelo menos 20 deles foram cumpridos em Redenção. Servidores da Secretaria da Fazenda agiam em conluio com empresários e recebiam vantagens indevidas causando grandes prejuízos aos cofres públicos. A operação denominada “QUINTA PARTE”, resultou na prisão de mais de 40 pessoas, entre servidores públicos, contadores e empresários todos acusados de cometerem crimes de corrupção passiva, peculato, lavagem de dinheiro, organização criminosa e crimes contra a ordem tributaria e corrupção ativa.

A operação “QUINTA PARTE” aconteceu simultaneamente em varias cidades do Pará e em outros estados como São Paulo, Rio de Janeiro e Mato Grosso.

O Delegado Antônio de Miranda Neto disse que o trabalho da polícia foi feito que, foi trazer ao MP as provas indicativas de corrupção generalizada dentro do órgão, desde os postos fiscais das divisas que dão acesso ao Estado, quanto na unidade administrativa com sede na cidade de Redenção. Miranda disse ainda que, agora o segundo passo será focar no patrimônio que, devem ser bloqueados o mais rápido possível e assim restituir o estado do rombo causado pela quadrilha.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo