URGENTE: Polícia Civil prende em São Félix acusados de mandarem matar Carlos Cabral

Antônio Silvério dos Reis, o “Antônio Rural”, é um dos acusados de ter mandado matar Carlos Cabral

A Polícia Civil prendeu, neste domingo, 16, na zona rural de São Félix do Xingu, dois homens acusados de terem sido os mandantes da execução do presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais (STR) de Rio Mara, Carlos Cabral Pereira, 58 anos. Ele foi assassinado com três tiros na cabeça, naquela cidade, na tarde do último dia 11, por dois pistoleiros.

As investigações começaram imediatamente após o crime, envolvendo força-tarefa formada por policiais da Delegacia de Conflitos Agrários (Deca) de Redenção, Núcleo de Inteligência Policial (NIP), Superintendência do Alto Xingu (São Félix do Xingu) e Superintendência do Araguaia Paraense (Redenção).

Neste domingo, as equipes estiveram na zona rural de São Félix, para cumprir três mandados de prisão temporária de 30 dias, contra os prováveis mandantes do crime e sete mandados de busca e apreensão contra outros suspeitos de envolvimento na morte de Carlos Cabral Pereira.

Dos três mandados de prisão, dois foram cumpridos. As identidades deles não foram divulgadas. A suspeita é de que Carlos Cabral tenha sido assassinado por disputa de terras.

Armas e munições também foram apreendidas na operação. As pessoas encontradas de posse ilegal desse armamento foram autuadas em flagrante delito e as investigações seguem no sentido de identificar outros envolvidos.

Para a Polícia Civil, disputa de terras teria motivado o crime

Na tarde de terça-feira, 11, Carlos Cabral Pereira pilotava uma moto pela Avenida Oeste, no Bairro Planalto, por volta das 16h20, quando dois homens, em outra motocicleta, emparelharam com ele e o da garupa atirou três vezes contra o homem.

Ele ainda chegou a ser socorrido e levado ao Hospital Municipal, onde morreu ao dar entrada. Segundo as filhas do sindicalista, na manhã de terça-feira, ele foi intimado a depor em um inquérito na Polícia Civil, em Rio Maria. E, à tarde, foi assassinado.

Cabral, que foi presidente várias vezes do STR, teve a vida marcada por ameaças e tentativas de homicídio. Ele foi, inclusive, casado com uma filha do sindicalista João Canuto, assassinado em 1985, também em Rio Maria. Atualmente, ele estaria vivendo em um acampamento n região conhecida como Paredão.

Ainda na tarde deste domingo, 16, os delegados envolvidos na ação devem conceder coletiva, onde revelarão mais sobre o rumoroso caso.

Fonte: Blog do João Carlos

SEM COMENTÁRIO