PolíticaXinguara

Vereadores falam da preocupação com moradores que esperam conclusão de casas populares

Cláudio Marques
Cláudio Marques

Depois de serem noticiados os problemas que estão levando ao retardamento da conclusão da construção de casas do Programa Minha Casa Minha Vida, em Xinguara, vereadores que compõem a base de oposição se manifestaram preocupados com o fato dos inscritos no Programa viverem a angustia da incerteza da integra de suas casas.

Para o vereador Luiz da Saúde, do PCdoB, é preocupante o fato das pessoas terem saído de suas moradias para dar lugar a construção das casas e, no entanto, até agora não foram concluídas.

“Pretendemos acionar o Ministério Público Federal para que alguma coisa seja feita, pois as famílias se encontram desalojadas de suas casas”, disse.

Havia um compromisso da empresa responsável de realizar a entrega das casas até o final do ano passado. Agora, o prazo, após ser prorrogado, se encerra em junho.

Outro vereador que manifestou indignação sobre o descaso foi Cicero Almeida – o Cição, PSB. Para ele, a prefeitura deveria tomar medidas, pois, é parte responsável na assinatura do Termo de Compromisso.

Cícero Almeida "Cíção"
Cícero Almeida “Cíção”

Disse ainda que, “a gestão municipal tem agido com morosidade sobre a questão, deixando de ir buscar solução para o problema”.

Na condição de vereador Cição justifica que está fazendo a sua parte, “temos procurado fazer o que está ao nosso alcance, fomos juntamente com o vereador Adair Marinho e Luiz da Saúde ao Ministério das Cidades e lá entregamos documentos informando o que está acontecendo em nossa cidade, em relação a esse descaso por parte da empresa responsável”. Relata ele

Adair Marinho, que esteve em Brasília, disse que o governo federal requer a prestação de contas sobre o que já foi feito para que, só assim, sejam liberados os valores restantes para a conclusão das obras.

Adair Marinho
Adair Marinho

Entre as opiniões dos vereadores, há quem acredite na possibilidade da conclusão das obras dentro do prazo estabelecido e há quem não acredite que a empresa tenha condições de construir mais de 70 casas até o dia 23 de junho, data final para entrega das casas, num total de 100 unidades.

Das 100 unidades, apenas 24 estão em fase de conclusão, enquanto que o restante nem ainda foi iniciado. Dos recursos liberados pelo Ministério, quase meio milhão já teria sido repassados para construção das casas, porem, nem a metade das moradias foram construídas.

Outro fator alertado pelo vereador Claudio Marques, PT, diz respeito às inviabilidades que podem ocorrer sobre o município por não cumprir os prazos estabelecidos, o que pode acarretar em dificuldades para outras captações de recursos para moradia popular. (Texto: Antonio Guimarães / Fotos: Gesiel Teixeira)

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo