Xinguara Xinguara perde o Radialista Cafuringa da Silva, uma voz que se cala para sempre

Cafuringa da Silva, uma voz que se cala para sempre

Xinguara perdeu na manhã dessa quarta-feira (30), uma das mais conhecida voz do rádio sul paraense. O radialista e cronista esportivo Francisco Ferreira da Silva, popularmente conhecido como Cafuringa da Silva, de 55 anos de idade, faleceu na manhã de hoje, minutos depois de ter dado entrada na Unidade de Pronto Atendimento – UPA, trazido por uma ambulância do SAMU. Na Declaração de Óbito – D.O, atestado pelo médico Álvaro Alves da Silva, apontou as causas “Choque Hipovolêmico, Ruptura de Varizes no Esôfago, Cirrose Hepática por consequência de Alcoolismo Crônico”.

O corpo do radialista está sendo velado na Câmara Municipal da cidade, de onde sairá por volta de meia noite em Traslado para sua cidade de Graça Aranha no estado do Maranhão, sua terra natal, onde será sepultado pelo seus familiares.

Cafuringa da Silva deixou o estado do Maranhão no da década de 80 e veio para Xinguara, trabalhou em algumas rádios na cidade, por algum tempo Cafuringa ficou dividido entre o Pará e Maranhão, só na década de 90 foi que ele se mudou de vez para Xinguara, onde se dedicou a profissão de radialista se tornando membro da equipe da Rádio Xinguara AM, lá ficou pelos últimos 25 anos, passou por vários programas da grade da emissora, mas foi reconhecido mesmo no rádio, através do programa esportivo “SHOW DE BOLA”, fez bastante sucesso também enquanto comandou o programa musical “BRASIL CAIPIRA”.

Com seu jeito simples de ser, Cafuringa da Silva conquistou grandes amizades durante os quase 30 anos de Xinguara, era muito bem visto perante toda sociedade. Sua profissão lhe proporcionou amizade em todos os seguimentos social, fora o meio esportivo onde conquistou o maior número de amizades, Cafuringa era bem relacionado com empresários, políticos e no âmbito policial era muito querido, mérito conquistado através do trabalho de reportagem de rua.

Segundo informações colhidas na UPA pela nossa equipe, fomos informados que Cafuringa da Silva já estava se sentindo mal a uns dois ou três dias, falamos com Adriano Badote diretor da unidade que nós relatou, “ele esteve aqui na quinta-feira, já não se sentia bem, mas não quis ficar internado, brincalhão como sempre ele disse isso é a “MANGUAÇA” era como ele tratava a bebida alcoólica, ainda brinquei com ele, ainda bem que você é sincero, ai ele disse vou mentir pra que, bebi de mais agora estou pagando a conta”, disse Adriano.

Na manhã dessa quarta-feira os vizinho perceberam que ele estava passando mal e acionaram o SAMU, quando ele entrou na ambulância já estava colocando sangue pela boca, chegou a ser internado mais em menos de meia hora já tinha evoluído a óbito.

A frase dita no rádio pelo radialista “NÃO SOU O MELHOR, NEM O PIOR, SOU APENAS CAFURINGA DA SILVA, A FORÇA DO POVO”, deixa apenas lembranças aos amigos, ouvintes e companheiros de trabalho. Já mais esse bordão será dito com tanto sentido.

___________ MATÉRIA CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE ___________

Acix presta homenagem a Cafuringa da Silva

A Associação dos Comunicadores em Imprensa de Xinguara (Acix) divulgou nesta tarde uma Nota de Pesar lamentando a perda de Cafuringa da Silva:

“É com imenso pesar que a Associação de Comunicadores em Imprensa de Xinguara comunica o falecimento do colega Cafuringa da Silva, radialista e servidor público nesta cidade de Xinguara.

Nós, da Acix entendemos que esse profissional cumpriu com muita competência sua função de comunicador esportivo da Rádio Xinguara AM onde atuou por vários anos.

A Acix, por meio de sua diretoria, associados e demais colegas de imprensa, lamenta profundamente esta fatalidade e, neste momento de perda e dor, transmite os sentimentos aos familiares, colegas e comunidade em geral”. A nota é assinada pelo presidente da Acix, Moraes Filho.

SEM COMENTÁRIO